PSDB volta a discutir nesta segunda permanência no governo Temer

  • Por Jovem Pan
  • 12/06/2017 08h04 - Atualizado em 29/06/2017 00h04
Brasília - O presidente interino Michel Temer durante cerimônia de posse aos ministros de seu governo, no Palácio do Planalto. À esquerda, o senador Aécio Neves (Valter Campanato/Agência Brasill)Aécio Neves e Michel Temer - PSDB e PMDB

O PSDB vai fazer na tarde desta segunda-feira (12) uma reunião nacional do partido com líderes, deputados, senadores, governadores e prefeitos para discutir se permanece ou não no governo de Michel Temer. Porém, pode ser que uma decisão definitiva seja adiada mais uma vez.

O movimento a favor de um desembarque tem crescido na última semana por causa de episódios como a revelação de que Michel Temer viajou em um avião de Joesley Batista em 2011.

Na Câmara, principalmente, a ala mais jovem do partido defende uma saída imediata da base aliada, mas no Senado a tendência também começa a aparecer. Para esse grupo, continuar ao lado de um governo tão desgastado e impopular só prejudica a imagem do partido.

Porém, visando o lado mais político da situação, caciques tucanos têm controlado esse movimento e devem atuar para que o PSDB só tome uma decisão depois que a Procuradoria-Geral da República denunciar o presidente.

Para eles, uma saída nesse momento isolaria o PSDB, provocaria atritos com o PMDB e dificultaria o apoio do partido de Temer ao candidato tucano em 2018.

Além disso, o grupo ligado ao senador Aécio Neves atua pela permanência na base, temendo que o PMDB atue pela cassação do mineiro no Conselho de Ética.

Manter o apoio dos tucanos é extremamente importante para o presidente Michel Temer pois é a Câmara quem decide se a denúncia contra ele vai ser aberta ou não.

Com informações do repórter Jovem Pan em Brasília Levy Guimarães