Queda de importações é responsável por superávit comercial

  • Por Jovem Pan
  • 04/11/2015 07h14
CURITIBA, PR, 31.03.2015: DÓLAR-ECONOMIA - Alta do dólar já provoca aumento de preços dos alimentos em todo o Brasil. Na foto, cédulas de reais e dólares. (Foto: Paulo Lisboa/Brazil Photo Press/Folhapress)Dinheiro

 Consumo e produção industrial em baixa permitem superávit na balança comercial de quase dois bilhões de dólares em outubro.

Foi o melhor resultado para o mês nos últimos quatro anos e revela que o ritmo de queda nas exportações brasileiras começa a desacelerar.

O presidente da Associação Brasileira de Comércio Exterior, José Augusto de Castro, adverte que as vendas de manufaturados devem aparecer só no ano que vem. Ele também destaca a rapidez da queda do valor das importações neste ano: “Nos dois primeiros meses a média diária foi de R$ 800 milhões, depois em mais 4 meses R$ 700 milhões, depois de mais 4 meses R$ 600 milhões, e agora estamos  na casa de R$ 500 milhões, ou seja, é uma queda muito forte nas importações. As exportações estão equilibradas, nem crescem muito, nem caem muito”.

E sondagem da Confederação Nacional da Indústria confirma a participação pouco expressiva do setor na pauta de exportações. O gerente executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, também aponta para o lado negativo da queda das importações. “A gente precisa de um número melhor da balança comercial não pela queda das importações, mas sim pelo aumento de exportações. Para isso, a gente precisa ter mais confiança, uma menor volatilidade do câmbio, que esses dias tem recuado, o que pode ser bom para a inflação mas, para o exportador, é um sinal de alerta”.

Os especialistas ouvidos pela Jovem Pan estão preocupados com o sobe e desce diário das cotações do dólar comercial no Brasil. Eles explicam que tanta volatilidade atrapalha o planejamento das vendas no exterior que são negociados em prazos mais longos.