Redução do número de médicos em UPAs preocupa Sociedade de Pediatria

  • Por Jovem Pan
  • 03/01/2017 07h04
Profissionais da saúde. Foto: Marcos Santos/USP ImagensPlano de saúde

Ministério da Saúde reduz exigência de número mínimo de médicos em Unidades de Pronto Atendimento. O setor critica o funcionamento com apenas dois médicos.

Quase 200 unidades estão fechadas no país por falta de profissionais. Os municípios que aderiram ao modelo agora não têm dinheiro para manter as UPAs funcionando.

A diretora da Sociedade Brasileira de Pediatria, Maria Tereza Fonseca da Costa, reforçou a necessidade do atendimento à população. “Essa mudança nas regras visa flexibilizar a implantação dessas unidades de pronto-atendimento. Cada município escolheria a melhor opção, mas ela abre precedente para situação mínima de quantidade de médicos, o que nos preocupa por conta de que isso pode dispensar profissional melhor capacitado para o atendimento da criança, que é o pediatra”, explicou.

O Governo defende a medida para facilitar a abertura de 440 UPAs – 165 prontas e outras 275 em obras. A maioria não funciona porque os prefeitos não conseguem bancar a estrutura mínima exigida, de pelo menos quatro médicos trabalhando.

*Informações do repórter Marcelo Mattos