Relator faz malabarismo para apresentar parecer sobre Cunha sem falar em corrupção

  • Por Jovem Pan
  • 31/05/2016 07h42
Brasília – O relator, deputado Marco Rogério, durante a reunião do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados. (José Cruz/Agência Brasil)Marcos Rogério (PDT-TO)

 O relator Marcos Rogério (DEM-RO) apresentará nesta terça (31) o seu parecer sobre o processo de cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética. O deputado fará um verdadeiro malabarismo para atender a decisão do presidente interino da Câmara sobre o caso.

Waldir Maranhão (PP-MA) determinou que Conselho de Ética não poderia falar em corrupção, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e peculato em relação ao Cunha, mas apenas se o presidente afastado mentiu ou não na CPI da Petrobras sobre o fato de possuir contas no exterior.

Marcos Rogério adiantou que vai cumprir a determinação do presidente interino: “Mesmo discordando integralmente da decisão do deputado Waldir Maranhão que é antirregimental, ilegal e contra os precedentes da Casa, eu estou acatando a decisão do Maranhão para evitar que esse processo se arraste por muito mais tempo. Isso não quer dizer que o meu parecer seja manco, que não leve em consideração o conjunto das provas. Com essa decisão do Maranhão, fizemos uma leitura mais cuidadosa, no que diz o inciso 5º, mas que diz muita coisa e vai ser possível demonstrar isso na apresentação do relatório”.

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA) vai pedir ao STF a anulação da decisão do presidente interino Waldir Maranhão. O parecer pela cassação vai ser apresentado nesta terça e a leitura deve ser na quarta-feira. Já a decisão do plenário deve ocorrer apenas na semana que vem.

Informações do correspondente da Jovem Pan em Brasília, José Maria Trindade.