Romeu Tuma Jr. relaciona grampo de Barroso ao processo de impeachment

  • Por Jovem Pan
  • 20/05/2016 13h25

Romeu Tuma Júnior deixou o ministério da Justiça em 2010 após ser acusado de envolvimento com a máfia chinesa

Romeu Tuma Júnior deixa o ministério da Justiça em 2010

 O ex-secretário nacional de Justiça do governo Lula, Romeu Tuma Jr., foi o primeiro a denunciar com provas os grampos no gabinete do ministro do STF Gilmar Mendes, em 2007.

Recentemente, grampos foram encontrados na sala do ministro Luís Roberto Barroso. Tuma Jr. acredita que o objetivo da escuta era o levantamento de dados sobre o processo de impeachment: “Alguém que tinha interesse nas ações que estão sendo julgadas, especialmente pelo ministro Barroso. (…) Vivíamos até recentemente em um estado criminoso. Essas práticas podem ser perfeitamente coordenadas com a administração estatal”.

Tuma Jr. defende que o gabinete de um ministro é “sagrado”, portanto a instalação de escutas é inconcebível e o fato deve ser apurado exemplarmente.

Informações: Claudio Tognolli