Rosso pede que Maia não use aviões da FAB para campanha não ser “desigual”

  • Por Jovem Pan
  • 26/12/2016 12h18
Brasília - O deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), com 120 votos, e o deputado Rogério Rosso (PSD-DF), com 106 votos, disputam o segundo turno da eleição para presidente da Câmara dos Deputados (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)Rogério Rosso e Rodrigo Maia - ABR

O Congresso está em recesso, mas o clima político continua quente em Brasília com a proximidade das eleições dos próximos presidentes da Câmara e do Senado.

Na Câmara dos Deputados, Rogério Rosso (PSD-DF), do centrão, se coloca como candidato e critica o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tenta participar da disputa, mesmo a lei proibindo a recondução ao cargo em um mesmo mandato. Maia, por sua vez, argumenta que apenas está concluindo o mandato do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), preso na Lava Jato, e que portanto a regra não se aplicaria a ele.

Rosso disse que a candidatura de Maia gera uma “pré-campanha atípica” e afirmou: “o presidente da Casa infelizmente está contribuindo para o aumento da temperatura do ambiente político” em meio a um “ano difícil para todos”. “Ele poderia ter evitado isso (a candidatura), obviamente respeitando a Constituição”, declarou.

Rogério Rosso também sugeriu, em entrevista exclusiva à Jovem Pan: “em janeiro, quando nós todos, candidatos, estaremos fazendo campanha, espero que ele (Maia) não aproveite a estrutura que ele tem de FAB (Força Aérea Brasileira). Não estou dizendo que ele está utilizando o avião da FAB para fazer campanha, mas ele tem a estrutura, como presidente, toda à sua disposição. Espero que ele também entenda que fica uma situação desigual. Enquanto a gente tem um deslocamento limitado para fazer campanha, ele tem toda essas vantagens da presidência da Casa”.

Ouça a entrevista completa AQUI.

União

Rosso também disse que, caso eleito, vai “trabalhar cada vez mais para unir o Congresso” e espera conseguir “enfrentar temas difíceis independente da instabilidade política”. O deputado prega uma “capacidade de desprendimento e união” entre os colegas e entende que “já existe uma consciência” da necessidade de reformas no País, “consciência de que acima de tudo o momento é de coragem”.

Previdência

O deputado do PSD também disse que caso seja o responsável pela condução das pautas na Câmara em 2017, não vai ter pressa na tramitação da proposta de reforma da Previdência enviada pelo presidente Michel Temer. 

“Todo o povo brasileiro será afetado (pela reforma), entretanto é uma matéria que está iniciando a discussão”, disse Rosso. “É um tema difícil que vai demandar muito tempo. Não vai ser atropelado”, afirmou.

O pré-candidato do centrão fala em equilibrar contas públicas da Previdência e preservar os direitos previdenciários adquiridos, ouvindo todas as entidades da sociedade civil organizada.

“A ação do governo tem que ser permanente, não reativa à economia”, declarou também Rogério Rosso.

A colunista Jovem Pan Vera Magalhães informou também que o presidente da Câmara Rodrigo Maia já tem programada uma agenda de viagem por vários estados para tentar viabilizar política e juridicamente sua candidatura: