Russomanno fala em limitar quantidade de Uber nas ruas: “concorrência predatória”

  • Por Jovem Pan
  • 19/09/2016 09h11
Celso Russomanno foi o 6º e último candidato à Prefeitura a participar de sabatina no Jornal da Manhã

O candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno (PRB) disse que, caso eleito, vai “estabelecer um regramento e uma quantidade” de carros do aplicativo Uber na cidade. “O Uber tem que dizer quantos carros está colocando nas ruas”, defendeu o candidato.

Em sabatina ao Jornal da Manhã da Jovem Pan, Russomanno garantiu a coexistência do Uber e dos táxis, mas criticou a concorrência entre eles.

Ele acredita que a diminuição dos preços que a disputa comercial nas ruas gera pode fazer com que o proprietário do veículo não consiga mais pagar pela manutenção do carro. “Em serviços comissionados a concorrência é predatória”, afirmou. O candidato citou o aumento de ações trabalhistas de quem presta serviços para o Uber contra a empresa e afirmou diversas vezes que o dono do carro é obrigado a fazer jornadas de 14 horas diárias.

“Todo serviço comissionário deve ser regulamentado”, exige Russomanno. “Existe placa vermelha de veículo de aluguel para que você possa identificá-lo como tal”, disse também, citando regulamentação estabelecida no Código de Trânsito Brasileiro, de 1997. “Um decreto municipal não pode ferir a lei federal”, lembrou.

Ciclovias e velocidade

Russomanno disse que, se elito, irá “rever” as ciclovias criadas pelo atual prefeito Fernando Haddad (PT) na cidade. “As ciclovias foram feitas sem critério nenhum. As ciclofaixas estão todas desbotando”, disse. “Precisamos fazer estudos de impacto”. Ele citou que ciclofaixas que passam em frente a comércios poderiam, em vez disso, serem “pintadas em vias laterais”.

O candidato prometeu voltar aos limites anteriores das velocidades nas marginais. Ele garantiu que a redução criada por Haddad não diminuiu o número de acidentes nas vias, ao contrário do que mostram números apresentados pela atual gestão. “Existe sim uma indústria de multas na cidade de São Paulo, que eu vou conter”, garantiu Russomanno.

Confira a íntegra da entrevista: 

Pesquisas

Russomanno, que ainda é o primeiro, justificou sua queda de intenção de votos nas pesquisas mais recentes. “Tenho menos tempo de televisão que os outros candidatos”. Ele reclama estar “tomando pancada de todos os lados”, mas assegura que o voto de seu eleitorado “é um voto consciente, é um voto certo”. Ele aposta em um eventual segundo turno: “no segundo turno nós vamos ter o mesmo tempo de televisão”.

Creches

Para combater o déficit oficial de 103 mil vagas em creches, Russomanno propõe a “verticalização das creches”, como um modelo internacional. “Cada andar da creche vai ter a sua administração própria para não perder a qualidade”, disse. Ele também propõe manter o modelo de parceria com a iniciativa privada e organizações sociais para abrir mais vagas.

Na área educacional, o candidato propôs também “baladas com a presença dos pais” e “bailes da terceira idade” dentro das escolas aos fins de semana. Veja aqui.

Saúde

Questionado, depois, sobre a saúde, Russomanno disse que ainda se tratava de um direito do consumidor. “Você voltou ao código do consumidor de novo”, disse. Os serviços públicos de saúde estão enquadrados todos no código de defesa do consumidor”, citou. Para a área, Russomanno propõe a informatização dos prontuários médicos dos pacientes. “O código de defesa médico pertence a você, paciente”, afirmou. “Você vai ter no cartão saúde inteligente o seu prontuário inteiro”.

Tarifa dos transportes

Russomanno descartou o não-aumento da tarifa de ônibus em São Paulo.  “Hoje é impossível fazer qualquer coisa nas tarifas dos ônibus por causa das gratuidades que serão mantidas”, disse. “O que temos que fazer é diminuir a fraude. A fraude é muito grande em cima do bilhete”, propôs. O candidato citou duas fraudes que o usuário comete: computar crédito quando não tem e fraude de troca de bilhetes.

Frase polêmica da reforma trabalhista

A campanha da adversária Marta Suplicy divulga fala de Russomanno em que ele prefere não opinar sobre a reforma trabalhista para não se comprometer. Russomanno reconhece a controvérsia do assunto. “Todas as questões nacionais, se você trouxer para a esfera municipal, iria criar polêmica”, disse. O candidato tenta explicar o contexto: “falei brincando com os empresários” e acusa a campanha de Marta: “é uma trucagem (montagem de cenas)”. Ele lembra que falou oito minutos sobre o tema na palestra.

Sobre a reforma em si, Russomanno disse: “o acordo entre os sindicatos patronal e dos empregados deve ser feito de maneira que não atinja o trabalhador”.

Vídeo polêmico

Russomanno ocupou 8 minutos do tempo de sabatina para explicar vídeo polêmico (também de 8 min) e antigo em que discute com uma caixa de supermercado para permitir que uma cliente compre artigos fora da embalagem. Ele cita a “legislação robusta” que existe para o caso. “Eu não estava lá impondo uma situação à caixa, estava impondo um direito daqueles que não tinham condição de comprar (uma embalagem com vários produtos)”, explica. Assista ao vídeo:

Proposta polêmica e bairros

Russomanno explicou a proposta que fez nas eleições passadas de cobrar uma tarifa de ônibus de acordo com a distância percorrida. O máximo a ser pago seria a atual tarifa, explica. Ele continua com essa visão. A ideia seria a de aumentar o numero de viagens de ônibus dentro dos bairros e, assim, “fomentar a economia no bairro, descentralizando a cidade”.

“Todos vão da periferia para o centro e as periferias são verdadeiras cidades-dormitório”, constatou. Russomanno quer alterar alíquota de impostos para trazer shoppings centers para a periferia.

Calçada verde

Outra proposta de Russomanno é fazer a “calçada verde”, estimulando o munícipe a manter vegetação nos calçamentos de seus imóveis, aumentar a drenagem da cidade para evitar alagamentos e “fazer com que a cidade seja um pouco menos quente no verão”.