Segunda edição do programa A Hora do Agronegócio traz empreendedorismo e sustentabilidade

  • Por Mariana Grilli
  • 27/07/2015 10h46
Agrobusiness

Na segunda edição do programa “A Hora do Agronegócio”, da Rádio Jovem Pan, o público conseguiu se inteirar a respeito do mundo do agrobusiness. Com apresentação de José Luiz Tejon, produção de Mariana Grilli e edição de Reginaldo Lopes, o programa recebeu dois entrevistados, que focaram nas questões de empreendedorismo e sustentabilidade.

Para falar dos novos mercados que o agronegócio pode oferecer e como tornar as oportunidades pertinentes, o programa trouxe a presença de William Labaki, que trabalhou por trinta anos como engenheiro e depois decidiu empreender no campo, desde a matéria-prima até o mercado final, ao se tornar proprietário da Goldy Alimentos Premium.

Em seguida, o ouvinte conferiu as informações de Luciana Verdolin sobre o orçamento dos ministérios. O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, conversou com a repórter da Jovem Pan e afirmou que nenhum setor ficou de fora do corte. Ainda assim, a pasta da Agricultura afirma que o orçamento de R$ 188 bilhões para o Plano Agrícola e Pecuário, para custeios, comercialização da safra e novos investimentos, deva ser mantido.

No giro de notícias, um dos destaques foi a relação entre China e Brasil. O país asiático foi o principal destino das exportações do agronegócio do Brasil no primeiro semestre de 2015, de acordo com o Ministério da Agricultura. Nestes seis meses, os embarques à China somaram US$ 11,750 mi. O complexo de soja liderou as exportações, seguido de produtos florestais e o setor de couros.

O programa “A Hora do Agronegócio” também se preocupou em retratar a crise hídrica do país e como podem ser aplicadas soluções para a economia de água no campo. Em entrevista a Mariana Grilli, o gerente agronômico da empresa Netafim, Carlos Sanches, afirmou que uma das alternativas encontradas foi o sistema de irrigação por gotejamento, que economiza de 30% a 50% de água em comparação a outras formas de irrigação.

O momento de sustentabilidade da segunda edição ficou, mais uma vez, com os cuidados de Luiz Cornacchioni, diretor-executivo da Associação Brasileira de Agronegócio (ABAG). O convidado conversou com José Luiz Tejon sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR), que influencia pessoas do campo e da cidade, e que tem relações diretas com a revisão do Código Florestal no Brasil.

Para finalizar, José Luiz Tejon preparou uma coluna afiada sobre a gama de ministérios que têm relação com o agronegócio. Agricultura, Pesca, Desenvolvimento da Indústria e Agrário, Relações Exteriores e Planejamento: estas são algumas das pastas que se associam e que intervém no agrobusiness. O apresentador acredita que um ministério único e forte seria muito mais eficaz, você concorda?
Para ouvir e se informar mais a respeito das relações entre o campo e a cidade, acompanhe o programa “A Hora do Agronegócio”, todos os domingos, às 7h, na Rádio Jovem Pan.