Serial killer “Monstro da Alba” pode ser julgado até o final deste ano

  • Por Jovem Pan
  • 16/08/2016 07h18
Monstro da Alba

Ministério Público vai pedir pena de 125 anos para pintor acusado de matar cinco pessoas e esconder corpos de vítimas em favela da Zona Sul de São Paulo. Jorge Luís Moraes de Oliveira ficou conhecido como “Monstro da Alba” e foi preso pela Polícia em setembro do ano passado.

Ele responderá por cinco homicídios qualificados por motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa, além da ocultação dos cadáveres.

Nesta quarta-feira (17), será encerrada a fase de instrução do processo com o depoimento das testemunhas de defesa. Jorge Luís Moraes de Oliveira também será interrogado pela primeira vez pela Justiça durante a sessão.

Segundo a promotoria, a defesa do pintor tem adotado uma estratégia que tem o objetivo de anular a perícia feita pela Polícia Técnico-Científica.

O promotor do caso, Fernando César Bolque, negou prejuízo ao trabalho feito pelos policiais e disse que as vítimas tinham aspectos em comum. “Todas as vítimas eram homossexuais, segundo, todos eram dependentes de drogas. primeiro, ao que parece, homofobia clara. Segundo, em relação à droga, existe versão de testemunha, de que ele era soldado do tráfico e responsável pela cobrança. Supostamente essas pessoas seriam devedoras de dinheiro para o tráfico e ele era o responsável delas”, disse.

Jorge Oliveira não vai responder pela morte de Kelvin Cabral da Silva, apesar das roupas da vítima terem sido encontradas na casa dele.

O Ministério Público entende que as provas relacionadas a este caso são frágeis, pois não houve exame de DNA para comprovar a autoria deste crime.

Até agora, 35 pessoas foram ouvidas como testemunhas de acusação a pedido da Promotoria. Após a fase de instrução, o julgamento poderá ser realizado até o fim deste ano, porém, se houver recurso da defesa, o júri popular pode ficar para 2017.

Confira a reportagem de Fernando Martins:

*Informações do repórter Anderson Costa