Serra minimiza atitude de chanceler venezuelana: “fez espetáculo”

  • Por Jovem Pan
  • 15/12/2016 08h34
Serra minimiza atitude de chanceler venezuelana: "serviu para fazer espetáculo" - EFE

Após a suspensão da Venezuela do Mercosul, por não cumprimento de requisitos necessários para acordos de comércio, o bloco realizou reunião nesta quarta-feira (14) em Buenos Aires, na Argentina.

A primeira reunião entre os chanceleres de Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai causou a revolta da ministra de Relações Exteriores venezuelana, Delcy Rodríguez, que tentou entrar à força no prédio alegando que tinha direito de participar da conversa.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o ministro das Relações Exteriores do Brasil, José Serra, afirmou que a tentativa da chanceler venezuelana “não é uma coisa tão importante”.

Segundo o tucano, a Venezuela não ocupou muito tempo da discussão do bloco nesta quarta-feira (14). “Serviu para fazer espetáculo. Isso é para atrair atenção. Para atrair a atenção vale, mas para resolver alguma coisa não”, declarou o ministro.

Assuntos debatidos na reunião

José Serra destacou que alguns pontos ficaram acertados na reunião. “Primeiro tentar eliminar barreiras ao comércio dentro do Mercosul. Os quatro integrantes concordaram que temos que fazer um processo de revisão para tornar o comércio dentro do Mercosul mais livre. Segundo, um trabalho para convergir as normas técnicas entre os quatro países”, disse.

Sobre a negociação com a União Europeia, Serra defendeu uma união dos assuntos a serem tratados. “Que façamos isso conjuntamente; hoje fazemos separadamente. Temos que, antes de negociar com eles, fazer uma posição comum. Isso facilitará com que as coisas andem”, explicou.

Crise brasileira

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux decidiu suspender a tramitação do Projeto de Lei da Câmara dos Deputados (PL) 4.850/16, que trata das Dez Medidas de Combate à Corrupção, projeto popular incentivado pelo Ministério Público Federal (MPF). Na decisão, Fux entendeu que houve um erro de tramitação na Câmara e determinou que processo seja devolvido pelo Senado, onde a matéria está em tramitação, para que os deputados possam votar a matéria novamente.

O ministro das Relações Exteriores disse não ter conhecimento sobre o que ocorreu, por motivos de viagem a Buenos Aires, mas confirmou que “vivemos um período de desajustes institucionais”.

Confira a entrevista completa do ministro ao Jornal da Manhã: