Temer quer reunir ministros para solucionar caos no sistema penitenciário

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2017 06h24
BRA100. BRASILIA (BRASIL), 29/12/2016. - El presidente de Brasil, Michel Temer,realiza hoy, jueves 29 de diciembre de 2016, un pronunciamiento de fin de año, en el que realizó un balance de sus siete meses al frente del Ejecutivo, en Brasilia (Brasil). Temer, dijo hoy que 2017 será un "año nuevo" para el país, en el que se conseguirá "vencer" la grave crisis económica en la que se encuentra sumergido el gigante suramericano. EFE/Joédson AlvesPresidente Michel Temer - EFE

Diante das críticas ao silêncio e da morosidade do Governo em buscar saídas para o caos no sistema penitenciário brasileiro, o presidente Michel Temer, pretende reunir os ministros da área de segurança nesta quinta-feira (05) em Brasília para discutir o assunto.

O discurso oficial é de que recursos já foram liberados no final do ano passado, mas a avaliação que se faz é que o montante ainda é insuficiente.

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, confirmou que o Governo do Amazonas tinha informações de que os detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim, em Manaus, planejavam uma fuga em massa entre o Natal e o Réveillon. Segundo ele, as autoridades locais informaram que a segurança foi reforçada.

Moraes, no entanto, admitiu que os problemas não se restringem ao Amazonas e que a realidade é dura em todo o País. “A questão penitenciária no Brasil é um barril de pólvora há dez, 20 anos”, alertou.

O ministro da Justiça evitou criticar as ações do governo do Amazonas, mas ressalta que é preciso aumentar a fiscalização, entender como era a rotina do presídio que teve até festa de réveillon com bebidas na passagem de ano.

Ele afirmou que tradicionalmente tem havido problemas na liberação de recursos para o sistema penitenciário, mas fez questão de ressaltar a liberação em dezembro de R$ 1,2 bilhão.

Nesta quinta-feira (05), a presidente do Supremo Tribunal Federal, a ministra Cármen Lúcia estará em Manaus, para encontro com os presidentes dos tribunais de justiça do Norte do País, mais Maranhão e Rio Grande do Norte.

*Informações da repórter Luciana Verdolin