Trump anuncia novo juiz da Suprema Corte dos EUA nesta terça-feira (31)

  • Por Jovem Pan
  • 31/01/2017 10h41
MEX10. CIUDAD DE MÉXICO (MÉXICO), 25/01/2017.- Fotografía del 31 de agosto de 2016 del presidente de Estados Unidos, Donald Trump, durante su visita a México como candidato presidencial Republicano, en la casa presidencia de Los Pinos de Ciudad de México. Trump firmó hoy, miércoles 25 de enero de 2017, la orden ejecutiva que niega los fondos federales a las llamadas "ciudades santuarios", que protegían la deportación a los indocumentados. EFE/ARCHIVO/Jorge Núñez EFE/ARCHIVO/Jorge Núñez EFE - Donald Trump

Sob um aspecto, Michel Temer e Donald Trump vivem momentos políticos parecidos. Está na mão de ambos a indicação de um nome para a mais alta instância judicial de seus países.

O presidente americano, mais adiantado no processo, anunciou pelo Twitter que indicará nesta terça-feira (31) o novo juiz para a Suprema Corte dos Estados Unidos que, desde o ano passado, funciona com oito magistrados: quatro conservadores e quatro progressistas.

A indicação é estratégica porque a última instância, é bom lembrar, interpreta a Constituição e deve tomar decisões sobre temas muito sensíveis, como aborto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o porte de armas. Temas caros a Trump, como lista o professor de Direito e Relações Internacionais da FAAP, o Marcus Vinicius de Freitas:

E, mais do que isso: essa não será a última indicação que o empresário fará nos próximos quatro anos.

A cadeira está vaga há um ano, quando morreu o juiz conservador Antonin Scalía. Obama indicou um magistrado moderado, mas o Senado – dominado pelo Partido Republicano – se negou a aceitá-lo. Após sua vitória nas eleições presidenciais de 08 de novembro, Trump antecipou que pensava escolher um juiz – ou juízes, no caso de mais falecimentos – contra o aborto e a favor das armas. E a lista dele tem 21 potenciais candidatos que contam com o sinal verde da direita cristã.

Confira a reportagem completa de Carolina Ercolin: