Trump na presidência afeta minimamente o Brasil, diz embaixador nos EUA

  • Por Jovem Pan
  • 30/12/2016 15h22
PFX3cNUEVA YORK (ESTADOS UNIDOS) 08/11/2016.- El candidato republicano, Donald Trump, saluda a sus simpatizantes después de votar en la ciudad de Nueva York en las elecciones presidenciales que se celebran en Estados Unidos, hoy, 8 de noviembre de 2016. Los estadounidenses eligen hoy a su próximo presidente entre la demócrata Hillary Clinton y el republicano Donald Trump. Clinton, ex secretaria de Estado y ex primera dama, parte en estos comicios con una ventaja de 3,2 puntos porcentuales frente al polémico magnate neoyorquino Donald Trump, según la media ponderada de encuestas que realiza la web Real Clear Politics. EFE/Peter Foley EFE/Peter Foley Donald Trump após votar em Nova Iorque

O embaixador do Brasil nos Estados Unidos (EUA), Sérgio Amaral, amenizou as incertezas das consequências da eleição de Donald Trump para o Brasil, em entrevista exclusiva à Jovem Pan.

Amaral prevê mudanças na política externa norte-americana, especialmente para europeus, a China e os países que apostaram no tratado de comércio transpacífico, que pode não prosperar. “Em relação nós, eu tenho a impressão que o impacto é pequeno”, diz o embaixador. As causas são que o Brasil não tem superávit em relação aos EUA, nem “rouba” empregos dos norte-americanas.

Ao contrário, Amaral avalia que as mudanças estadunidenses podem até trazer mudanças positivas para o País.

O embaixador também não aposta que acontecerá um abalo muito grande na relação entre EUA e China, que poderia afetar o mercado internacional e o Brasil. “Acho que prevalecerá o bom senso”, diz. 

Imigrantes

O embaixador brasileiro reconhece que “os imigrantes brasileiros estão inquietos” com a eleição de Trump, que tem um forte discurso contra a imigração. Amaral entende, no entanto, que não haverá muitos problemas à população brasileira nos EUA, por considerá-la “ordeira e trabalhadora”, além de menor que outros povos. Apenas pessoas com antecedentes criminais poderiam ser comprometidos, entende Amaral.

Economia

A expanssão dos gastos prevista por Donald Trump pode causar um aumento dos juros norte-americanos, o que pode complicar financeiramente a economia brasileira. Por outro lado, o crescimento da economia dos EUA, avalia Amaral, pode gerar oportunidades para o Brasil de novos acordos.

O embaixador vê também para o Brasil uma “oportunidade estratégica de grande aproximação com nossos vizinhos da América do Sul”.

China

“O problema maior do comércio mundial hoje é que nenhum país consegue concorrer com a China”, analisa o embaixador. Por isso o comércio aberto seria o grande desafio. Ouça e assista à entrevista completa aqui: