Tumulto entre presos deixa seis feridos no Complexo de Bangu, no RJ

  • Por Jovem Pan
  • 19/01/2017 06h42
RJ - GREVE/AGENTES PENITÉNCIÁRIOS/BANGU - GERAL - Movimentação no Complexo de Gericinó, em Bangu, no primeiro dia de paralisação de agentes penitenciários e policiais civis no Rio de Janeiro. Eles reivindicam salários atrasados e melhoria nas condições de trabalho 17/01/2017 - Foto: SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOComplexo de Gericinó - AE

No segundo dia de greve dos agentes penitenciários no Rio de Janeiro, houve um princípio de confusão nesta quarta-feira (18) no Complexo de Gericinó, na zona oeste.

De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária, houve um desentendimento entre presos de um mesmo grupo. A confusão aconteceu em Esmeraldino Bandeira, que abriga presos que prestam serviços na construção civil na área do Complexo de Bangu.

O presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, Gutemberg de Oliveira, afirmou que este tumulto nada tem a ver com a paralisação. “Nós somos mediadores de conflito e o maior conflito que existe é nessa relação humana e conturbada entre eles mesmos”, contou.

Nesta confusão, seis detentos ficaram levemente feridos. Parentes, amigos e advogados dos presos permanecem de plantão na penitenciária à espera de visitas aos detentos.

Com a greve dos agentes penitenciários, as visitas estão suspensas pelo menos até segunda-feira (23), quando a categoria se reúne em assembleia para decidir os rumos da paralisação.

*Informações do repórter Rodrigo Viga