Último debate presidencial na França é marcado por tensão e ofensas

  • Por Jovem Pan
  • 04/05/2017 09h28
Marine Le Pen e Emmanuel Macron - efe

Farpas e mais farpas. Foi isso que se viu no último debate entre o centrista Emmanuel Macron e a candidata de extrema direita Marine Le Pen antes do segundo turno

Durante duas horas, poucas vezes um candidato deixou o outro terminar o raciocínio, dificultando a vida dos dois apresentadores. Le Pen e Macron discordaram de tudo, principalmente com relação à política interna, os planos para imigração e a permanência na União Europeia.

Enquanto Macron disse ser o candidato de uma “Europa que protege”, o programa eleitoral de Le Pen prevê o retorno do país ao franco e a convocação de um plebiscito sobre a permanência na União Europeia.

O bicho pegou quando Le Pen disse que Macron não tem um plano definido contra o terrorismo às vésperas do segundo turno e ele a interrompe dizendo que ela só fala mentiras.

Le Pen bateu forte dizendo que Macron é o candidato da globalização selvagem, da “uberização”, da precariedade e do desmantelamento da França por parte dos grandes interesses econômicos.

Macron respondeu dizendo que Le Pen é a herdeira de um sistema que há décadas prospera com a ira dos franceses. Ele também a acusou de não oferecer soluções para problemas como o desemprego crônico da França.

Ao final do discurso, Macron foi considerado mais convincente pelos franceses que votaram por telefone de acordo com um dos canais que transmitiu o debate.

Prometendo ser tão equilibrado quanto o primeiro, o segundo turno acontece neste domingo (07).

Confira a análise de Caio Blinder:

Confira as informações de Ulisses Neto: