Vice-líder do governo pede explicações sobre pensão e chama FHC de “príncipe”

  • Por Jovem Pan
  • 19/02/2016 13h11
Fernando Henrique Cardoso

 A polêmica envolvendo Fernando Henrique Cardoso, que teria usado uma empresa para pagar a pensão do filho com a jornalista Míriam Dutra no exterior provocou debates acirrados na câmara. Deputados do PSDB defendem que de fato existem contas do ex-presidente no exterior, mas que todas foram declaradas e que não existe nenhuma irregularidade no procedimento. Já os deputados petistas querem a investigação dos recursos no exterior e da origem do dinheiro.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) ironiza e diz que o momento é para o Ministério Público investigar: “Temos que aguardar, temos uma justiça federal que tem se mostrado tão ciosa, temos promotores com tanta vontade de demonstrar serviço. Vamos aguardar uns dias para ver se eles vão se movimentar, para ver se os órgãos de fiscalização vão agir de maneira republicana ou não. Se eles não agirem nós temos que estudar qual o mecanismo deve ser estudado para que essa investigação efetivamente aconteça”.

Já o deputado Sílvio Costa (PSB-PE), que é um dos vice-líderes do governo, disse de forma mais direta que vai ao MP e na Receita Federal pedir a investigação sobre o processo: “É evidente que é realidade. Se fosse o Lula o PSDB já estava aí pedindo a prisão, se fosse a Dilma, estavam pedindo pena de morte, só porque é o príncipe ele não vai se explicar? Claro que vai se explicar, sobretudo ele que sempre a se auto intitulou como o grande homem da ética no Brasil. Isso é muito grave, é uma coisa muito séria uma ex-esposa dizer que o ex-presidente da república pagava pensão do filho através de empresa privada”.

Não houve nenhuma formalização de investigação contra o ex-presidente e em nota ele confirma o envio de recursos para o exterior, mas nega que tenha usado empresas e garante que tudo foi declarado.

Informações do correspondente da Jovem Pan em Brasília, José Maria Trindade