Zika: OMS aconselha que turistas evitem a prática de sexo durante estadia no Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2016 08h35
Jornal diz que 450 mil camisinhas serão distribuídas no Rio 2016

As dúvidas de jornalistas estrangeiros quanto aos cuidados necessários para lidar com a ameça do zika durante os Jogos Olímpicos no Brasil motivou a Organização Mundial da Saúde a promover uma webconferência para os profissionais.

Em um tom ponderado, o especialista da OMS, William Perea, aconselhou todos os viajantes a praticarem sexo com camisinha ou se absterem de sexo durante sua estadia no Brasil por pelo menos oito semanas após seu retorno pra casa.

Se durante esse período, ou antes, aparecerem sintomas de doença por vírus zika, os homens devem adotar os mesmos procedimentos, mas por no mínimo seis meses.

O médico justificou a orientação pelo longo tempo de permanência do vírus no semem. Até 62 dias, segundo os últimos estudos. Dr. William ainda recomendou o uso de repelentes e roupas compridas durante a estadia.

Apesar de garantir que há pouca chance de contágio por zika durante a Olimpíada no Rio por causa das baixas temperaturas que inibem a proliferação do mosquito, William Perea é questionado pela mediadora que entendeu que mesmo sendo inverno, o clima do Rio de Janeiro será quente em agosto.
Dr. Perea esclareceu, portanto, que isso não é suficiente para que o Aedes aegypit se procrie em grande quantidade.

Há risco de os turistas que vieram para os jogos se infectarem aqui e levarem zika aos seus países de origem? Segundo o especialista, há pouco, mas a OMS disse estar trabalhando ao lado dos países mais vulneráveis que também tenham o mosquito aedes circulando para impedir qualquer risco.

*Informações da repórter Carolina Ercolin