Zona Franca de Manaus tem queda nas vendas de produtos eletroeletrônicos

  • Por Jovem Pan
  • 21/10/2015 15h43

Vista aérea da Zona Franca de Manaus em 2008. O espaço livre de impostos foi criado em 1967 e está na quinta fase de exploração industrial.

Zona Franca de Manaus

 Com queda de 18% nas vendas de produtos eletroeletrônicos, Zona Franca de Manaus reduz a produção diante da crise. Os efeitos da situação econômica e a falta de confiança do consumidor afetam o setor que responde por 30% do polo industrial da região.

O faturamento da Zona Franca atingiu R$ 50 bilhões nos oito primeiros meses do ano, o que representa um recuo de 8% em relação ao mesmo período de 2014.

O presidente da Abinee, Humberto Barbato, aponta a queda inédita na venda de TVs, celulares e computadores: “Efetivamente nós nunca vimos um ambiente tão difícil nesses últimos 20, 25 anos. E não sabemos por quanto tempo vai persistir essa retração na economia”. A Zona Franca enfrenta o encarecimento dos componentes importados com a alta do dólar e a restrição ao crédito.

O economista do Instituto de Desenvolvimento Industrial, Rafael Cagnim, avalia que o que ocorre em Manaus reflete o cenário brasileiro: “À medida que a crise chega ao mercado de trabalho, temos um reforço da decisão de adiamento de consumo, e isso vai impactar especificamente essa indústria”.

Os dados da Suframa, a Superintendência da Zona Franca, apontam que o nível de emprego no polo teve um desempenho ainda pior. A retração foi de 15,4% nos oito primeiros meses do ano. Em agosto, 100 mil operários trabalhavam nas fábricas de Manaus.