Reformas administrativa e tributária podem ser aprovadas ainda em 2021, diz Arthur Lira

O presidente da Câmara considera possível discutir em dez meses as propostas, sendo oito meses destinados para o debate das mudanças tributárias

  • Por Jovem Pan
  • 24/02/2021 09h03 - Atualizado em 24/02/2021 10h18
Michel Jesus/Câmara dos DeputadosArthur Lira reforçou que é radicalmente a favor do cumprimento de todas as regras do teto de gastos

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), demonstra otimismo sobre quando as reformas devem entrar nos holofotes das discussões na Casa. Para ele, é possível a aprovação rapidamente pelo Congresso Nacional das reformas administrativa e tributária e arrisca até um cronograma. “Se nós falarmos em oito meses, nós estamos em fevereiro, vamos para setembro e outubro, para aprovar também a tributária, três meses no Senado, cinco meses na Câmara. É um tempo razoável. Nós conseguimos entregar, vamos trabalhar muito para isso. A administrativa e as outras PECs que estão no Senado, em dois meses a gente tem essa fatura totalmente liquidada para cuidar de outros temas de estruturação e rotações importantes, como privatização e destravamento dos investimentos no Brasil.”

Arthur Lira, que participou de uma live do Jornal Valor Econômico, saiu em defesa do presidente da república Jair Bolsonaro e minimizou a troca na presidência da Petrobras chamando a reação do mercado financeiro de bolha histérica. “É uma troca normal de um auxiliar. Se é de uma maneira certa ou uma maneira errada, é da atribuição do Poder Executivo, do presidente da República. Está claro que é uma bolha histérica que precisa ser sanada, o Brasil precisa parar com esse tipo de situação. Todos os fatos que estão acontecendo no Senado, na Câmara, no Brasil, precisam ser tratados de maneira mais afável”, afirmou. Quando questionado se haveria alguma previsão de se discutir a revogação da lei do teto de gastos, que cria limites para as despesas públicas, Arthur Lira disse que é radicalmente a favor do cumprimento de todas as regras do teto de gastos.

*Com informações do repórter Daniel Lian