Valéria Monteiro registra candidatura à presidência em meio a processos judiciais e sem o aval do PMN

  • Por Eduardo F. Filho
  • 15/08/2018 16h56 - Atualizado em 15/08/2018 17h27
Reprodução FacebookValéria Monteiro candidata à presidência da república

A candidata à presidência da república pelo PMN, Valéria Monteiro, protocolou, hoje, o seu registro de candidatura junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sem o aval do partido. Diferente dos outros candidatos, seu sonho de ir à presidência depende de um julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) para anular a convenção nacional do PMN, acorrida em 21 de julho.

No evento, foi decretado que o partido não teria candidato a presidência. Em vídeo circulado pelas redes sociais, seguranças tentam tirar Valéria do auditório a força. O presidente da legenda, Antônio Carlos Massarollo, não a autorizou discursar ou dar o seu voto. Na época, a ex-apresentadora do Fantástico já havia se filiado ao partido e começado a sua campanha presidencial.

O processo ainda não foi julgado pelo STF e não tem data para ser colocado em pauta. Apesar disso, para não se comprometer na corrida eleitoral, a candidata registrou sua candidatura normalmente, visto que, hoje é o último dia para o registro. Caso o supremo decida que a convenção do partido seja válida, Valéria perde a chance de se eleger e sai automaticamente da disputa.

Além desse processo judicial, a candidata luta na justiça pelos seus míseros 8 segundos na propaganda eleitoral e como seu partido não tem representação no congresso, ela também não pode participar dos debates na televisão. “Se o Lula pode ser candidato da prisão, porque não eu, só porque não sou a dona do partido? Eu sou ficha limpa”, comenta Valéria.

A jornalista espera conseguir alcançar mais eleitores a partir das redes sociais e promete que haverá mais videos atacando os demais candidatos, como os divulgados recentemente, em que ataca Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula.

“Os processos judiciais nos fizeram perder 2 semanas em relação aos outros candidatos, agora voltaremos com tudo pelas redes sociais” afirma Alessandro Nogueira, estrategista da candidata.

Ela afirma que abriu mão do fundo eleitoral e partidário e que está sobrevivendo por vaquinhas virtuais. Espera gastar cerca de 200 mil reais com toda a sua campanha. A última vaquinha virtual arrecadou apenas 300 reais.

Plano de Governo

A candidata divulgou, também, o seu plano de governo em 53 slides chamado de “Brasil, Pátria mãe gentil” que afirma ser diferente dos demais candidatos por não se tratar apenas de combate a corrupção e se coloca como ” A voz da maioria silenciosa”.

No plano são apresentados seus 14 ministérios, entre eles a criação do ministério da comunicação e acesso à informação, e suas 10 metas que ela pretende alcançar durante seu governo que vão de combate à desigualdade à reformas eleitorais e tributarias.