França sobre vídeo de Doria: ‘Feitiço virou contra o feiticeiro’

  • Por Jovem Pan
  • 26/10/2018 08h52
PAULO LOPES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO"A pessoa se envolve numa confusão e a culpa é da gente?", questionou França

O candidato à reeleição ao governo de São Paulo, Márcio França (PSB), afirmou nesta quinta-feira (25) que o “feitiço virou contra o feiticeiro” ao se referir ao vídeo atribuído ao seu oponente João Doria (PSDB), no qual ele supostamente aparece fazendo sexo com cinco mulheres. “A pessoa se envolve numa confusão e a culpa é da gente?”, questionou ele.

“Ele passou a campanha inteira fazendo fake news contra mim. O feitiço virou contra o feiticeiro”, afirmou França, em entrevista coletiva. Os dois candidatos participaram nesta quinta do último debate antes do segundo turno.

Márcio França também comentou a pesquisa Datafolha que mostrou que a diferença entre eles diminiuiu de seis para quatro pontos percentuais. “As pessoas conforme vão olhando os rostos dos candidatos, vão vendo quem fala mais a verdade”, argumentou ele, que oscilou um ponto para cima e alcançou 48% da preferência do eleitorado.

França atribuiu a oscilação negativa de Doria ao fato de ele ter deixado a prefeitura antes do término de seu mandato. O tucano está com 52% das intenções de voto — um ponto abaixo do levantamento anterior e empatado tecnicamente com o atual governador.

‘Ficou devendo para o Alckmin’

O candidato do PSB, Márcio França, também foi questionado sobre o fato de João Doria ter se referido ao ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), de quem França foi vice, diversas vezes ao longo do debate — diferentemente do que fez nos encontros anteriores. “Ele sabe que de algum jeito ficou devendo para o Alckmin”, disse o pessebista. “O empenho, a força, a generosidade de ter sido leal com Alckmin.”

França afirmou ainda que Doria “não consegue ficar amigo” de uma pessoa por mais de um ano. “Ele acumula tantos adversários que cada vez vai ficando mais sozinho”. O governador lembrou também que muitos integrantes do PSDB são contra Doria. “Dá pra contar no dedo quem do partido o apoia”, concluiu.

*Com informações da repórter Nicole Fusco.