Berezovsky sentiu sintomas de “envenenamento”, diz filha em depoimento

  • Por Agencia EFE
  • 27/03/2014 15h43

Londres, 27 mar (EFE).- A filha do magnata russo Boris Berezovsky, encontrado morto no Reino Unido em 2013, disse nesta quinta-feira que seu pai se queixou de sintomas que ela acredita serem de “envenenamento” poucos dias depois de ele ter perdido um litígio milionário com o compatriota e dono do clube de futebol inglês Chelsea, Roman Abramovich.

Elizaveta Berezovskaya prestou depoimento hoje durante o segundo dia de uma investigação judicial legista realizada na cidade de Windsor sobre as circunstâncias da morte de Berezovsky, cujo corpo foi achado no banheiro de sua mansão em Ascot, nos arredores de Londres, no dia 23 de março do ano passado.

Em declaração lida pelo juiz Peter Bedford, Berezovskaya contou que seu pai tinha dito que “estava lhe ocorrendo algo estranho” e que “sentia dentro de si alguma reação química” apesar de posteriormente a família ter se dado conta de que o oligarca sofria de depressão.

A testemunha também afirmou que havia “várias pessoas” que representavam “uma ameaça” para seu pai, opositor do presidente russo, Vladimir Putin, e argumentou que “ele era um alvo, sempre” por ser “uma figura política de peso”.

No entanto, estas afirmações contradisseram seu primeiro depoimento, dado um dia após o corpo ter sido encontrado, quando ela afirmou que pensava que seu pai tinha se suicidado e que com frequência falava em se matar.

O juiz legista lembrou que Berezovskaya inclusive chegou a escrever uma carta à polícia representando sua família para dizer que ela e os parentes acreditavam que o magnata tinha se suicidado e que por isso “qualquer investigação policial estendida é desnecessária”.

No entanto, a filha do empresário admitiu hoje que, “quanto mais pensava nisso (a causa da morte), mais dúvidas lhe surgiam”.

Boris Berezovsky, que se estabeleceu no Reino Unido em 2000 por causa de seus problemas com o governo Putin, era conhecido no Brasil como suposto financiador da parceria MSI/Corinthians. EFE