Corrupção, holocausto armênio e o amor entre sol e lua: os enredos da segunda noite de carnaval em SP

  • Por Jovem Pan
  • 02/03/2019 22h00
Paulo Lopes/Estadão ConteúdoMais sete escolas passam pela avenida paulistana do samba no segundo dia de desfiles

O segundo dia do carnaval paulistano começa às 22h30 deste sábado (2), após uma primeira noite espetacular. Até o início da manhã de domingo (3), mais sete escolas de samba do grupo especial vão desfilar pela passarela do sambódromo, na zona norte. Os enredos vão falar de corrupção, holocausto armênio e lendas amazônicas.

Nesta ordem, passarão pela passarela do samba: Águia de Ouro, Dragões da Real, Mocidade Alegre, Vai-Vai, Rosas de Ouro, Unidos de Vila Maria e Gaviões da Fiel, encerrando o reinado de Momo no grupo especial. A previsão é de que pode haver chuva ao longo dos desfiles, mas isso não deve esfriar a torcida dos cerca de 30 mil foliões no local.

Águia de Ouro

Grande campeã do grupo de acesso no ano passado, a escola da Pompeia vai falar sobre um tema que está no centro do debate da população há alguns anos: a corrupção – com direito a referência à Operação Lava Jato. O enredo, assinado por quatro carnavalescos, tem o título: “Brasil, eu quero falar de você! Que país é esse!”

“Quando do mar se aproximou
A caravela da ganância
A ambição do invasor
O teu herdeiro então chorou
Derramou seu sangue em vão
E nos tornamos os escravos do próprio chão”


Dragões da Real

Se o São Paulo Futebol Clube preocupa dentro de campo, a torcida promete um espetáculo na avenida do samba – falando sobre o tempo. Com o carnavalesto Mauro Quintaes, o tema da agremiação é “A invenção do tempo – Uma Odisseia em 65 minutos”. O tempo a que o enredo se refere é o limite de duração dos desfiles paulistanos.

“Somos escravos da hora
Senhores do agora
Num mundo veloz
Será que é o tempo que passa
Ou quem passa somos nós?”


Mocidade Alegre

Uma das maiores campeãs do carnaval de São Paulo, a Mocidade Alegre vai levar o folião ao norte do país para contar uma lenda: “Ayakamaé – As águas sagradas do sol e da lua”. Diz a história que sol e lua eram amantes, mas nunca conseguiam se encontrar. Então, a lua começa chorar. É dessas tristes lágrimas que, então, nasce o Rio Amazonas.

“O sol… beijando as águas ao entardecer
Encontra a lua prá fazer valer
A jura eterna de uma paixão
Transbordam dentro do meu peito,
As águas da inspiração,
Que faz “Morada” em cada coração”


Vai-Vai

Com 15 troféus no barracão, a Vai-Vai – maior campeã do carnaval paulistano – vai trazer a cultura africana à passarela do samba para exaltar a luta da população negra pela igualdade. A agremiação da Bela Vista vai apresentar a criatividade dos carnavalescos Hernane Siqueira e Roberto Monteiro sob o título “Vai-Vai, o quilombo do futuro”.

“A liberdade é minha por direito
Não vamos tolerar o preconceito
Somos todos irmãos
E a luz da razão vai nos guiar”


Rosas de Ouro

A tradicional Rosas de Ouro vai usar a alegria do carnaval para homenagear mais de 1 milhão de pessoas que morreram no holocausto armênio, entre a primeira guerra mundial e a guerra de independência turca. O samba “Viva Hayastan” lembra o nome do país no idioma local e tem a assinatura do carnavalesco André Machado.

“Somos herança da tua raiz
A arte que corre nas veias
Faz nossa gente feliz
A Rosas ergue a bandeira da superação
E canta Armênia nesse carnaval
Celebrando a união”


Unidos de Vila Maria

Escola da zona norte, a Vila Maria pretende levar o folião à cultura e às belezas naturais do Peru: “Nas asas do grande pássaro, o voo da Vila ao império do Sol”. O título é uma referência ao povo Inca, que acreditava que o rei era um descendente do Deus Sol, chamado de Inti. Esse ser religioso era representado por um grande pássaro.

“A energia de um lindo lugar:
Império do sol, no alto dos Andes,
Onde o pranto do céu formou a nascente.
Fonte da vida, das águas, emana!
Viva a Nação Peruana!”


Gaviões da Fiel

Dentro de campo, o Corinthians está longe de agradar a torcida, mas o espetáculo dos gaviões no samba é garantido. A Fiel vai contar história, lendas, benefícios e malefícios do tabaco, com o enredo: “A saliva do santo e o veneno da serpente”. O tema é reedição do apresentado em 1994 pelo carnavalesco Raul Diniz, agora com assinatura de Sidnei França.

“Erva santa curou dores
Seduziu com seus sabores
Café e rapé em Paris
A nobreza aspirava
E ficava mais feliz”