Ministério da Justiça determina que filme com Gentili e Porchat seja retirado do streaming

Netflix e outras plataformas que possuem o longa no catálogo ‘devem suspender sua exibição imediatamente’ ou terão que arcar com multa diária de R$ 50 mil

  • Por Jovem Pan
  • 15/03/2022 11h42 - Atualizado em 15/03/2022 11h43
Reprodução/Telecine Cena de Como se Tornar o Pior Aluno da Escola com Fábio Porchat Fábio Porchat protagoniza a cena que gerou polêmica de 'Como se Tornar o Pior Aluno da Escola'

O Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor, determinou que o filme “Como se Tornar o Pior Aluno da Escola” seja retirado das plataformas de streaming. A decisão foi publicada na manhã desta terça-feira, 15, no Diário Oficial da União e comentada pelo ministro Anderson Torres nas redes sociais: “As plataformas que possuem o filme em seu portfólio devem suspender sua exibição imediatamente. O não cumprimento resulta em multa diária de R$ 50 mil”. O longa de 2017 virou assunto nas redes sociais após uma cena protagonizada pelo ator Fábio Porchat ser filmada por um usuário da Netflix e criticada no Twitter. A Jovem Pan entrou em contato com a plataforma, mas ainda não obteve retorno. Além da gigante do streaming, também foi mencionado na determinação que plataformas como Globoplay, Telecine, Youtube, Apple e Amazon não devem disponibilizar o filme em seus catálogos. 

Assim que a cena do longa viralizou nas redes sociais, o atual ministro da Justiça e Segurança Pública Brasil se manifestou dizendo que estava ciente “de detalhes asquerosos do filme ‘Como se Tornar o Pior Aluno da Escola’” e que tomaria “providências cabíveis”. Mario Frias, atual secretário Especial de Cultura, apoiou o posicionamento de Anderson. A cena em questão é de cunho sexual e Porchat a protagoniza com dois atores mirins. Tanto ele quanto Danilo Gentili, que também faz parte do filme, foram acusados nas redes sociais de estimularem a pedofilia. O apresentador do “The Noite” chegou a rebater os ataques virtuais: “O maior orgulho que tenho na minha carreira é que consegui desagradar com a mesma intensidade tanto petista quanto bolsonarista. Os chiliques, o falso moralismo e o patrulhamento: veio forte contra mim dos dois lados. Nenhum comediante desagradou tanto quanto eu”.