Cielo traz medalha de bronze para o Brasil no terceiro dia do Mundial de piscina curta

  • Por Agência Brasil
  • 05/12/2014 16h41
César Cielo posa com a medalha de bronze nos 50 m
Em duas semifinais e seis finais no terceiro dia de provas do Campeonato mundial de piscina curta (25m) de Doha, o Brasil apareceu no pódio apenas na final dos 50 m livre masculino. E o resultado não foi o que se esperava: o favorito Cesar Cielo nadou mal e foi superado pelo rival Florent Manaudou. Repetindo o que aconteceu nos Jogos Olímpicos de Londres, quando nadaram em piscina de 50m, o francês e atual campeão olímpico ficou com o ouro mundial e Cielo acabou com a medalha de bronze. O Brasil agora soma três medalhas de ouro e uma de bronze. A Hungria lidera o quadro de medalhas, com cinco ouros, duas pratas e um bronze.

Na final da prova mais rápida da natação, a expectativa era que os velocistas Cesar Cielo e Florent Manaudou duelassem braçada a braçada pelo título. O brasileiro, ouro nos Jogos de Pequim, em 2008, perseguia sua décima conquista mundial e, neste campeonato, já havia sido mais rápido que o adversário no revezamento 4x50m medley e na semifinal. Tanto Cielo quanto Manaudou sustentavam o mesmo recorde dos 50m na carreira: 20s51. Mas, na prova, Cielo não teve um bom desempenho e viu Manaudou cravar novo recorde mundial em 20s26. A medalha de prata ficou com o italiano Marco Orsi, que fez 20s69.

“Minha saída não foi boa e o cara (Manaudou) nadou muito. Eu não fiz uma boa prova. Veio mais uma medalha, mas não saiu do jeito que eu queria. Mas, passou. Agora é analisar com calma, dar uma relaxada e ver o que dá para fazer nos 100m e no 4×100”, reconheceu Cielo, em entrevista ao canal Sportv.

Brasil na água

Vencedor de três medalhas de ouro na quinta-feira (4), Felipe França terminou em último lugar na final dos 200m peito. O brasileiro completou o trajeto em 2m06s74, mas acabou ganhando uma posição e ficando em sétimo na classificação final graças à desclassificação do russo Oleg Kostin.

Nos 200m medley masculino, Henrique Rodrigues esteve perto da medalha de bronze. O nadador perdeu a terceira posição para o japonês Daiya Seto nos últimos metros da prova e completou a prova em 1m52s63, no quarto lugar.

Henrique Martins não se classificou para as finais do 50m borboleta e 50m costas. Na primeira bateria do nado borboleta, ele ficou em sétimo lugar com o tempo de 23s42. No nado costas, ele terminou na 16ª posição, nadando em 23s93. Outro brasileiro também buscou vaga para a final do 50m costas e acabou ficando na reserva: Guilherme Guido teve o nono melhor tempo, com 23s42.

Quem avançou para a final foi Nicholas Santos, que fez o segundo melhor tempo em sua bateria eliminatória dos 50m borboleta e brigará por medalha neste sábado (6).

As meninas também amargaram resultados ruins: no 50m borboleta, Daynara de Paula chegou em último, com tempo de 25s94. No revezamento 4×50 medley, o time feminino nadou em 1m46s47 e ficou com o quinto lugar. No 4×100 livre, Larissa Oliveira, Daynara de Paula, Daiane Becker e Alessandra Marchioro fizeram o percurso em 3m33s93, o que lhes renderam a penúltima colocação.

“Dama de ferro”

Depois de perder duas finais para a espanhola Mireia Belmonte no primeiro dia de competições, a húngara Katinka Hosszu deu a volta por cima – e em grande estilo. A nadadora de 25 anos, apelidada de “dama de ferro” por conta de seu incansável ritmo de competição, conquistou duas medalhas de ouro, quebrando os recordes mundiais nas duas provas. Escolhida pela Federação Internacional de Natação (Fina) como a melhor atleta do ano, Hosszu venceu os 200m costas baixando a casa dos dois minutos – com 1m59s23 – e os 100m medley, com 56s70.