Clubes pressionam, e presidente da federação uruguaia anuncia saída após Copa

  • Por Agência EFE
  • 04/02/2014 12h08

Seleção do Uruguai está torcendo para cair no grupo H da Copa do Mundo de 2014 para ter viagens mais curtas durante o Mundial

Seleção do Uruguai deseja cair no grupo H da Copa 2014

Alvo de críticas dos dirigentes dos clubes, o presidente da Associação Uruguaia de Futebol (AUF), Sebastián Bauzá, anunciou nesta terça-feira que deixará o cargo no fim da Copa do Mundo deste ano.

“É algo raro, sobretudo quando faltam quatro meses para o Mundial. Não entendo muito isso”, disse o líder do futebol do país sul-americano, sobre os ataques que vêm sofrendo.

Bauzá, que também integra o Comitê Executivo da Confederação Sul-Americana de Futebol, está a quase cinco anos comandando a AUF. Os clubes atacam o dirigente pela prioridade dada pela entidade à seleção.

“Não é possível ter uma seleção rica e clubes cada vez mais pobres”, afirma Fredy Varela, presidente do El Tanque Sisley, recentemente.

Os grandes do futebol uruguaio, Peñarol e Nacional, também estão no grupo que pede reformas na entidade.

A AUF divide entre os clubes da primeira e segunda divisões, parte do dinheiro que recebe a seleção em torneios internacionais, mas os dirigentes questionam o baixo valor, além dos prejuízos provocados pela perda de atletas para as seleções adulta e de base.

“Quando houver eleição, os clubes poderão escolher uma política ou filosofia diferente a que conduzimos”, explicou Bauzá.