Ecclestone diz que foi vítima de executivo de banco em 1º dia de julgamento

  • Por EFE
  • 24/04/2014 13h57
Bernie Ecclestone não se mostrou a favor da presença de mulheres pilotando carros de Fórmula 1

O presidente e CEO da Formula One Management (FOM) e da Formula One Administration (FOA), Bernie Ecclestone, se declarou vítima nesta quinta-feira, no primeiro dia de julgamento por um suposto caso de suborno, que acontece na Audiência Provincial de Munique, na Alemanha.

O dirigente esportivo britânico não depôs no tribunal, mas teve pronunciamento em alemão lido pelo seu advogado. Nele, o “homem-forte” da Fórmula 1 negou ter pago pago US$ 44 milhões a Gerhard Gribkowsky, executivo do banco público BayernLB como suborno.

Ecclestone explicou que foi chantageado pelo funcionário, após ter sido ameaçado com denúncia a receita britânica por evasão fiscal, através de uma fundação pertencente a sua ex-mulher, o que poderia render uma multa de 2 bilhões de libras.

“Vi em perigo a obra de minha vida”, apontou Ecclestone em sua declaração escrita.

O advogado do dirigente ainda afirmou que serão apresentados documentos provando que Gribkowsky mentiu ao dizer em juízo que foi subornado, o que acabou provocando sua prisão.

A promotoria do país acusa o dirigente, de 83 anos, de ter pago US$ 44 milhões a Gerhard Gribkowsky, durante operação de venda da participação da instituição nas empresas que administram a Fórmula 1.

Gribkowsky teria a incumbência de realizar o negócio com a empresa britânica CVC, que seria aliada de Ecclestone. O montante veio da comissão que o presidente e o CEO da FOM a FOA recebeu, de US$ 66 milhões.

O executivo do banco, que é testemunha no processo, foi condenado a oito anos de prisão durante outro julgamento. Nesta sentença, o juiz Peter Noll disse que Ecclestone tinha conduzido Gribkowsky a cometer o crime, no que definiu como “suborno”.

O primeiro dia do julgamento do chefão da Fórmula 1 foi concluído após seis horas. A justiça de Munique prevê que serão necessárias outras 26 sessões, e assim, a conclusão do processo aconteceria apenas em setembro.

Como acusado no caso, Ecclestone deverá estar presente em todas as sessões.