Athletico-PR demite Fábio Carille e diretor de futebol após ser goleado pelo The Strongest

Contratado no dia 13 de abril, o técnico ficou cerca de 20 dias no cargo e comandou o Furacão em apenas sete partidas, colecionando três vitórias e quatro derrotas

  • Por Jovem Pan
  • 04/05/2022 10h43 - Atualizado em 04/05/2022 11h00
Reprodução/Instagram/@fabiocarille Fábio Carille foi demitido pelo Athletico-PR após a goleada sofrida para o The Strongest Fábio Carille foi demitido pelo Athletico-PR após a goleada sofrida para o The Strongest

O Athletico-PR anunciou na manhã desta quarta-feira, 4, que demitiu o treinador Fábio Carille após ser goleado pelo The Strongest (Bolívia), em La Paz, pela quarta rodada da Copa Libertadores da América. Contratado no dia 13 de abril, o técnico ficou cerca de 20 dias no cargo e comandou o Furacão em apenas sete partidas, colecionando três vitórias e quatro derrotas. Além do “professor”, deixaram o clube paranaense os auxiliares Leandro da Silva e Denis Faria Luup. Em nota, a diretoria atleticana também comunicou a saída de Fernando Yamada, então diretor de futebol.

Nas redes sociais, Fábio Carille disse que ficou “surpreendido” com a demissão da diretoria do Athletico. “Na última terça, após uma derrota dolorida para todos nós na Libertadores, que não poderia de forma alguma ter acontecido, fui surpreendido com a minha demissão do comando técnico do Athletico. Cheguei ao clube no dia 13 de abril e fiz questão de começar a trabalhar imediatamente, pois sabia que seria pouco tempo de treino para muitos jogos importantes. Infelizmente, 21 dias depois, o nosso projeto se encerrou. Vim ao clube empolgado para trabalhar, organizar essa equipe que pode render muito mais, porém não houve tempo para isso”, lamentou o treinador, que reclamou do pouco tempo para trabalhar na cidade de Curitiba.

“Foram 21 dias e 7 jogos. Outros 7 dias foram para treinos de jogadores que não atuaram e recuperação aos que atuaram. Os outros 7, treino pré-jogo, que chamamos de “apronto”, no qual você faz tentativas de organizações, sem tempo para repetições e trabalhos específicos. Saio triste por não ter este tempo para colocar o nosso trabalho em prática, mas de cabeça erguida por trabalhar ao máximo e respirar o clube em toda e qualquer oportunidade que tivemos. Obrigado, Athletico, pela oportunidade de estar aqui e ao torcedor por estar ao nosso lado nos jogos em casa. Até mais!”, acrescentou.