Barroca testa positivo para Covid-19 e perde reestreia no Botafogo x Flamengo

O treinador foi recontratado na semana passada para assumir a vaga de Ramón Díaz, que sequer estreou no comando do time carioca

  • Por Jovem Pan
  • 30/11/2020 18h08 - Atualizado em 30/11/2020 18h09
Vitor Silva / SS Press / BFREduardo Barroca volta a trabalhar no Botafogo após passagem pelas categorias de base do Corinthians

O Botafogo informou na tarde desta segunda-feira, 30, que Eduardo Barroca não reestreará no comando do time diante do Flamengo, no próximo sábado, às 17 horas, no Engenhão, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. Isto, porque o treinador testou positivo para a Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, poucos dias após ser anunciado como novo técnico da equipe. Segundo informou o Glorioso, os auxiliares Felipe Lucena e Lucio Flavio estarão à frente do grupo nas atividades da semana. Barroca dirigiu o time nos treinos do fim de semana, antes de sentir os primeiros sintomas leves e ser afastado.

Contratado na última sexta-feira, o treinador passa bem, mas terá de ficar em isolamento por, no mínimo, dez dias. Ironicamente, o clube decidiu demitir Ramón Diáz justamente porque ele só poderia começar a treinar o time no próximo dia 7, após se recuperar de uma cirurgia, mas a diretoria não quis esperar. O argentino deixou o clube sem sequer treinar o time. Afastado para se recuperar de uma cirurgia no cérebro, ele foi substituído pelo seu filho e auxiliar Emiliano Díaz. Desta vez, o Botafogo terá de lidar com a ausência também do novo treinador até por um período mais longo do que o antigo comandante.

Barroca, que estava no Vitória e iniciou a sua segunda passagem pelo clube, é o quinto técnico a dirigir o alvinegro carioca em 2020. A equipe começou o ano com Alberto Valentim e depois teve Paulo Autuori, Bruno Lazaroni e Ramón Diáz, além do preparador de goleiros Flávio Tênius, que treinou o time interinamente em três jogos. Alguns atletas estão insatisfeito com as trocas recorrentes no comando. Na última sexta-feira, o meio-campista japonês Honda, um dos líderes do elenco, desabafou em suas redes sociais e afirmou que estava pensando em deixar o clube, que está mergulhado em uma grave crise financeira.