Casagrande critica Lugano por fala sobre Democracia Corinthiana: ‘Despreparado’

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2020 13h21 - Atualizado em 25/04/2020 13h23
ReproduçãoWalter Casagrande Júnior trabalha como comentarista esportivo na TV Globo

O ex-jogador e atual comentarista da TV Globo Walter Casagrande Júnior criticou o superintendente de relações institucionais do São Paulo, Diego Lugano, por declaração sobre a Democracia Corinthiana. O uruguaio indicou, em entrevista ao site argentino Infobar, que havia um certo autoritarismo dentro do movimento, que teve Casagrande e Sócrates como dois dos líderes no começo da década de 1980.

Lugano citou o ex-goleiro Emerson Leão, que fez parte do time alvinegro na época, mas era contra a Democracia Corinthiana, para ressaltar que “havia o outro lado da moeda”. Segundo o ex-zagueiro, Leão era impedido de treinar.

“É verdade, muito linda a democracia para decidir tudo, mas se, de repente, seis queriam treinar e dez não, não te deixavam? É muito romântica a história, Sócrates (outro líder da Democracia Corinthiana) é um fenômeno em um contexto social e político muito especial, mas, bem, temos que dar a dimensão necessária”, afirmou.

Em entrevista ao Globoesporte.com, no entanto, Casagrande lamentou a declaração de Lugano e criticou o uruguaio. “É muito estranho ouvir uma pessoa falar sobre a Democracia Corinthiana sem ter propriedade alguma e sem conhecimento algum sobre o movimento”, disparou. “Esse é um dos problemas das pessoas oportunistas, antes de falar de alguém ou de alguma coisa, deveriam se informar melhor”, acrescentou.

De acordo com o ex-atacante, Leão, apesar de ter se declarado publicamente contra o movimento, não era impedido de treinar por causa disso. “Posso dizer que ele não acha que o movimento era democrático e se manifestava e manifesta até hoje nesse sentido. E sempre aceitamos as opiniões dele. Para mim, o Leão é o melhor goleiro brasileiro que vi jogar e a minha admiração por ele vem muito de vê-lo treinar muito para jogar. O Leão chegava antes de todos e saía depois de todos, foi primordial ao bicampeonato”, disse, referindo-se às conquistas dos Paulistões de 1982 e 1983.

“Agora eu só quero esclarecer que as pessoas devem ouvir só quem tem conhecimento sobre os assuntos, e não uma pessoa completamente despreparada e sem propriedade alguma para falar sobre a Democracia Corinthiana”, finalizou.