De capacete, goleiro do Goiás volta a jogar após choque com palmeirense: ‘Não me lembro de nada’

  • Por Jovem Pan
  • 24/09/2019 17h07
ReproduçãoTadeu enfrentou o Fluminense com uma proteção na cabeça, no último domingo, no Serra Dourada

Duas semanas depois de protagonizar uma das cenas mais assustadoras da atual edição do Campeonato Brasileiro, o goleiro Tadeu, do Goiás, voltou aos gramados. Após perder três jogos por causa da concussão cerebral sofrida no choque de cabeças com o meia-atacante Zé Rafael, do Palmeiras, o arqueiro de 27 anos foi titular na vitória esmeraldina por 3 a 0 sobre o Fluminense, no último domingo, no Serra Dourada.

Surpreendente, o retorno só foi possível porque Tadeu aceitou jogar com uma proteção na cabeça. O “capacete” – semelhante ao eternizado pelo ex-goleiro Petr Cech em Chelsea e Arsenal – deu mais confiança e, por que não, sorte a Tadeu, que não encerrava uma partida sem ser vazado há dois meses.

“Deu sorte, mas não foi por isso que eu usei, né?”, fez questão de ressaltar o goleiro do Goiás, em entrevista exclusiva ao repórter Giovanni Chacon, da Rádio Jovem Pan. “Mesmo tendo conseguido voltar a jogar rápido, era importante usar essa proteção por precaução. Eu sofri um choque muito forte na cabeça, e o capacete me ajudou na questão de dar mais confiança. Se tivesse que jogar sem, eu jogaria sem problema nenhum, mas, na hora em que eu vesti, me senti confortável, e (o capacete) me ajudou bastante durante a partida”, acrescentou.

O episódio que fez Tadeu virar notícia em todo o País aconteceu em 7 de setembro. Aos 7min do segundo tempo, o goleiro do Goiás saiu da meta para afastar cruzamento de Marcos Rocha e se chocou com Zé Rafael. Ambos bateram cabeça com cabeça, e o arqueiro caiu desacordado, tendo que deixar o campo de ambulância direto para o hospital. Ele sofreu uma concussão cerebral e teve um sangramento na região do ouvido.

“Foi um susto muito grande, uma dividida muito forte”, definiu Tadeu. “Na hora, ali, eu não me lembro de nada, porque foi um choque muito forte. Só vendo os vídeos é que observei as minhas atitudes, de querer voltar para o jogo, tirar a proteção do pescoço… Mas não passou de algo de momento, né? Horas depois, eu já retomei toda a consciência, fiquei bem, tanto que fui liberado para ir para casa no mesmo dia. Preocupei muitas pessoas. Meu pai e meu sogro estavam na arquibancada, mas, graças a Deus, não foi nada grave”, finalizou.

Tadeu voltará a campo – muito provavelmente, de capacete – na próxima quarta-feira, às 21h30 (de Brasília), diante do São Paulo, no Morumbi. O jogo será válido pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.