Em jogo marcado por protesto contra assédio, seleção feminina vence a Rússia por 3 a 0

Jogadoras entraram em campo com faixa e se manifestaram após o amistoso; na segunda-feira, a equipe enfrenta o Canadá

  • Por Jovem Pan
  • 11/06/2021 18h18 - Atualizado em 11/06/2021 18h32
Richard Callis/SPP/CBFMarta falou sobre protesto no final da partida

A seleção feminina do Brasil entrou em campo na tarde desta sexta-feira, 11, contra a Rússia em amistoso de preparação para os Jogos Olímpicos e venceu bem, ganhando por 3 a 0. A partida em Cartagonova, em Cartagena, na Espanha, foi marcada pelo posicionamento da comissão contra o assédio. Antes do confronto, todas as jogadoras e diretoras se manifestaram em suas redes sociais contra as acusações de assédio sexual e moral do presidente licenciado da CBF, Rogério Caboclo, divulgadas na última semana. O time entrou com uma faixa com os dizeres “Assédio Não”. Dentro de campo, a equipe de Pia Sundhage foi bem superior às adversárias, marcando o primeiro gol aos 41 minutos. Depois de cobrança de escanteio de Andressinha, a zagueira Bruna Benitez apareceu mais alto e cabeceou para o gol.

A pressão continuou no segundo tempo e aos 18 minutos, em lance parecido com o primeiro, Bruna voltou a superar a zaga russa e marcou o segundo do Brasil. Aos 35, Andressa Alves fez grande jogada pela esquerda, driblou as adversárias e chutou. A goleira fez a defesa, mas a camisa 7 aproveitou o rebote e fez o terceiro da seleção, fechando a conta do amistoso. O time volta a entrar em campo na segunda-feira, 14, contra o Canadá, às 16h (horário de Brasília). A partida terá transmissão da TV Globo.

Marta falou sobre protesto no final da partida

Ao final da partida, Marta foi entrevistada pela TV Globo e comentou sobre o manifesto publicado nas redes sociais e a faixa utilizada na entrada em campo. “Foi uma decisão em conjunto, nós temos uma comissão que é muito alinhada com as atletas, então a gente resolveu mostrar a nossa opinião neste sentido, porque somos contra qualquer tipo de assédio, sem fazer qualquer julgamento obviamente, mas os fatos estão aí para serem apurados, mas a gente necessitava mostrar o nosso posicionamento e fizemos em conjunto como fazemos em todas as outras situações”, disse.

A craque da seleção fez questão de salientar que o grupo está focado na preparação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, onde estreia no dia 21 de julho contra a China. O grupo ainda enfrenta a Holanda, no dia 24 e a Zâmbia no dia 27. “Agora é deixar essa situação de lado, focar no nosso trabalho aqui porque esse período de trabalho é muito importante para irmos preparadas para as Olimpíadas e é o que vamos fazer, vamos manter o foco aqui e deixar que as autoridades resolvam essa situação”, completou Marta.