“Ferguson do Interior”, rival do Palmeiras ostenta marca rara até em clube grande

  • Por Jovem Pan
  • 28/01/2018 08h00
Marcello Zambrana/AGIF/Estadão ConteúdoMarcelo Veiga soma 468 jogos como técnico do Bragantino, uma marca rara até entre clubes grandes

Quando o Palmeiras entrar em campo para enfrentar o Bragantino, neste domingo, em Bragança Paulista, vai se deparar com uma situação um tanto quanto corriqueira: a presença de Marcelo Veiga no banco de reservas alvinegro. Em sua sexta passagem pelo clube, o treinador de 53 anos ostenta um recorde raro até em time grande.

Veiga soma simplesmente 468 aparições como técnico do Bragantino. Incrível, a marca é a maior da história da equipe e seria a sexta de um hipotético ranking envolvendo apenas clubes grandes do futebol brasileiro.

Marcelo Veiga perderia apenas para os recordistas de: Santos (Lula – 959 jogos), Flamengo (Flavio Costa – 746 jogos), Vasco (Antônio Lopes – 600 jogos), Palmeiras (Osvaldo Brandão – 585 jogos), São Paulo (Vicente Feola – 532 jogos) e Fluminense (Zezé Moreira – 474 jogos).

Clubes do quilate de Corinthians (Osvaldo Brandão – 439 jogos), Atlético-MG (Telê Santana – 434 jogos), Grêmio (Foguinho – 378 jogos), Cruzeiro (Ilton Chaves – 362 jogos) e Inter (Teté – 337 jogos) ficariam atrás do Bragantino de Marcelo Veiga.

“Foram as minhas conquistas que fizeram com que eu ficasse tanto tempo à frente do mesmo clube”, resumiu o treinador, em entrevista exclusiva a Felipe Altarugio, para a Rádio Jovem Pan. “Fico muito contente com essa marca. O meu objetivo é atingir os 500 jogos até o fim do ano”, acrescentou o técnico, que é carinhosamente chamado de “Ferguson do Interior”, em referência a Sir Alex Ferguson, lendário ex-treinador do Manchester United que ficou 27 anos à frente do clube inglês.

Veiga ainda não flerta com a marca de Ferguson. Se somadas todas as seis passagens pelo Bragantino, o técnico acumula cerca de oito anos à frente do clube – o maior período foi entre 2007 e 2012, quando comandou o Braga por cinco anos ininterruptos. Mesmo assim, a história escrita no time alvinegro é motivo de orgulho.

“Eu tive acesso da Série A2 para a Série A1, fui vice-campeão da Copa Estado de São Paulo, fui campeão brasileiro da Série C… Então, foram esses bons trabalhos que fizeram com que eu tivesse essa força e criasse uma relação de confiança com o presidente”, justificou.

“Ter tempo para trabalhar faz muita diferença. Eu tenho uma liberdade muito grande para fazer o meu trabalho no Bragantino, e isso é muito bom, porque eu consigo executar o meu planejamento e colocar em prática tudo aquilo que penso sobre futebol. Os resultados acabam sendo consequência”, acrescentou.

Marcelo Veiga

“Não” a Corinthians e Santos

A longevidade de Marcelo Veiga no Bragantino não foi construída sem riscos. Entre 2007 e 2009, o então novato treinador chamou a atenção de dois gigantes do futebol brasileiro, mas tomou atitude surpreendente ao recusá-los. Trata-se do Corinthians, que em 2007 acabou por contratar Paulo César Carpegiani, e o Santos, que em 2009 fechou com Vagner Mancini.

“Em 2007, quando eu fiz uma boa campanha no Bragantino, sendo quarto colocado do Campeonato Paulista, eu fui procurado por um grande clube, mas optei por ficar, porque achava que não era o momento. Fui procurado pelo Corinthians e, depois, pelo Santos. Mas eu não aceitei, porque achava que precisava ralar um pouco mais para que, quando chegasse a um clube grande, tivesse a consistência para conseguir ficar”.

A maturidade, segundo ele, não o faria tomar a mesma atitude nos dias de hoje. “Agora eu estou em uma condição bem diferente. Já tenho experiência e vivência como treinador e conheço bem como funcionam os bastidores do futebol. Fui campeão da Série C com o Bragantino, da Série D com o Botafogo-SP… Acho que essa vivência no interior me trouxe uma experiência muito grande. O momento para chegar a uma equipe grande está bem maduro, e eu espero isso aconteça”.

À frente do banco de reservas do Bragantino pela 469ª vez, Marcelo Veiga terá o desafio de derrubar a invencibilidade do poderoso Palmeiras neste domingo, às 17h (de Brasília), no estádio Nabi Abi Chedid. O jogo, válido pela quarta rodada do Campeonato Paulista, será transmitido ao vivo pela Rádio Jovem Pan.