Flamengo retorna ao Rio e Bruno Henrique aparece sem muletas em desembarque

  • Por Jovem Pan
  • 20/02/2020 15h01
Richard Callis/Estadão ConteúdoBruno Henrique é atacante do Flamengo

Menos de 12 horas depois de ter empatado por 2 a 2 contra o Independiente Del Valle, em Quito, no Equador, a delegação do Flamengo já está de volta ao Rio de Janeiro. No desembarque no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, na manhã desta quinta-feira, o clima era de uma certa revolta com a arbitragem da partida e de muito alívio com a situação do atacante Bruno Henrique, que apareceu andando sem o auxílio de muletas e andando normalmente, mas utilizando uma bota.

Na quarta-feira, o jogador sofreu um trauma na perna direita no lance de seu gol, o primeiro do Flamengo, e não teve fratura detectada, mas deixou o estádio Olímpico Atahualpa de muletas. De acordo com o departamento médico, Bruno Henrique passará por exames ainda nesta quinta para definir se há algum tipo de lesão e os resultados serão conhecidos nesta sexta.

“Vamos fazer uma avaliação mais aprofundada para ter uma resposta”, explicou o médico João Marcelo. “Bruno teve um trauma importante na hora do jogo, da perna dele com a do goleiro. Ele estava com muita dor, não conseguia comemorar e nem ficar de pé e pediu substituição. Na avaliação da possibilidade de ter ou não uma fratura, levamos para o hospital para fazer a radiografia. Não constatou nenhum tipo de fratura, ele está tratando e medicado”, concluiu.

Já é certo que o atacante não jogará neste sábado contra o Boavista, no estádio do Maracanã, pela final da Taça Guanabara, o primeiro turno do Campeonato Carioca. Mas é possível tê-lo de volta no segundo e decisivo jogo da final da Recopa Sul-Americana contra o Independiente Del Valle, na próxima quarta-feira, também no Maracanã.

Além do atacante, Rodrigo Caio também não irá atuar contra o Boavista, pois foi substituído contra o Independiente Del Valle sentindo dores na virilha. O zagueiro também vai passar por exames para saber qual a gravidade da lesão.

BRONCA 

Os jogadores chegaram ao Rio de Janeiro reclamando da arbitragem do uruguaio Leodán González, especialmente na marcação do pênalti do lateral-direito Rafinha em Murillo, que gerou o gol do empate dos equatorianos no final da partida.

“Sabemos que era um jogo difícil, na altitude, contra uma equipe muito forte que foi campeã da Sul-Americana. Conseguimos fazer um bom jogo, poderíamos ter saído com a vitória, infelizmente marcaram aquele pênalti que eu achei que não foi. Mas foi um resultado bom, não foi ruim. Agora a gente decide em casa e espera que possa sair campeão”, analisou o atacante Pedro.

Autor do pênalti, Rafinha disse que reviu a jogada e discorda da marcação. “Assistimos várias vezes o replay dos lances e vimos que não teve nenhum contato. Particularmente, na hora, já tinha certeza que não tinha tocado nele. Mas fazer o quê? Paciência. Ver numa decisão daquelas um árbitro despreparado… Para ele dar um pênalti daquele sem ter revisado, não pedir auxílio de vídeo… a gente fica triste, mas tudo bem”, comentou.

*Com informações do Estadão Conteúdo