Liga da Costa Rica, primeira a voltar nas Américas, pode ter campeão nesta segunda

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2020 09h21
Reprodução/Depostivo SaprissaCosta Rica é um dos países com menor taxa de letalidade do coronavírus

Seis anos após ser a sensação da Copa do Mundo no Brasil, a Costa Rica volta a ser protagonista no futebol mundial. Nesta segunda-feira (29), às 23h30 (horário de Brasília), Deportivo Saprissa e Liga Deportiva Alajuelense fazem o segundo jogo da final dos playoffs da Liga Promerica, como é chamada a primeira divisão local. Se der Saprissa, o time fica com o título por ter melhor campanha. Caso o rival leve a melhor, força a realização de uma nova decisão, em duas partidas.

Trata-se do primeiro campeonato das Américas a ser retomado após a paralisação causada pelo novo coronavírus covid-19 – a bola não parou na vizinha Nicarágua mesmo em meio à pandemia. Com quase cinco milhões de habitantes, a Costa Rica foi uma das nações menos impactadas pelo vírus, com 3.130 casos confirmados e 15 óbitos registrados até domingo (28), conforme a universidade norte-americana Johns Hopkins. A taxa de letalidade (mortos entre pacientes infectados) no país não chega, atualmente, a 0,5%. É inferior, por exemplo, à da Nova Zelândia (1,8%), com população semelhante e que, até meados de junho, ficou quase um mês sem casos. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, essa taxa está em 4,2%.

“A Costa Rica sempre teve um sistema de saúde pública muito forte, gratuito e para todos os cidadãos”, conta o jornalista Eduardo Castillo, da Rádio Teletica, à Agência Brasil, em referência ao CCSS (Caja Costarricense de Seguro Social, ou simplesmente Caja), criado em 1941. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o país tem o quinto maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e a mais alta expectativa de vida da América Latina.

O estado de emergência foi decretado no país em 16 de março, 10 dias após o primeiro caso ser registrado – uma turista norte-americana de 49 anos. “Foram tomadas medidas como o fechamento de locais comerciais e estabelecimentos de entretenimento, como cinemas e bares, além das restrições veiculares. A partir da sete da noite, não podia mais andar de carro e [quem desobedecesse] era passível de multa. As empresas também adotaram medidas, com o ajuste de horários e trabalho de casa. Os cidadãos se apegaram às medidas e não foram rebeldes”, relata o jornalista.

A suspensão do campeonato foi adotada pelo Conselho Diretor da União de Clubes de Futebol da Primeira Divisão (Unafut), que administra o torneio, um dia após o decreto do governo. Na semana seguinte, a associação dos jogadores, a Federação Costarriquenha (Fedefutbol, sigla em espanhol) e a Unafut entraram em acordo quanto à redução salarial na paralisação. “Felizmente, os canais de TV e alguns patrocinadores mantiveram o investimento e os clubes conseguiram seguir durante esse tempo”, diz a secretária-geral da Fedefutbol, Margarita Echeverría, à Agência Brasil.

O retorno
A conversa entre entidades e governo para retomar o futebol iniciou entre o fim de abril e o início de maio. “Naquele momento, tínhamos cerca de 700 casos, metade deles recuperados, e um, dois casos novos por dia – no máximo 10. Então, entendeu-se que dava para regressar”, explica Castillo. No Brasil, atualmente, somente o Campeonato Carioca recomeçou. Hoje, o Rio de Janeiro é um dos estados com maior taxa de mortalidade pelo novo coronavírus (56,7 a cada 100 mil habitantes), mais que o dobro da média nacional (27,2).

O anúncio de que o campeonato costarriquenho seria retomado foi feito em 11 de maio. Na ocasião, Fedefut e Unafut divulgaram um protocolo, revisado e aprovado pelo governo, com diretrizes para a volta de treinos e jogos. “É um protocolo muito rígido, realizado com participação dos médicos dos clubes da primeira divisão e também adotado pela segunda divisão. Por exemplo, foram enumerados fiscais para confirmar se ele está sendo cumprido nos estádios. Há determinações sobre a entrada das equipes no estádio e a presença limitada de funcionários”, descreve Echeverría.

A bola voltou a rolar em 20 de maio com portões fechados, como já fora na rodada que antecedeu a paralisação. Além da ausência de torcida, o protocolo orienta quanto à utilização constante de máscaras (inclusive no caminho ao estádio), exceto, claro no campo de jogo; distanciamento de dois metros entre os atletas no vestiário e restrição de acesso a jogadores não relacionados, entre outros. Controle de temperatura na chegada, com proibição de entrada a quem estiver acima dos 37,5 graus, e lavar as mãos com água e sabão e álcool em gel também estão entre as determinações.

Quebrar as regras definidas no protocolo não tem sido tolerado. No fim de maio, após uma partida contra o UCR, o Limón foi punido com a perda do mando de campo por ter violado itens como ausência de álcool em gel, pia e toalhas para os árbitros, presença de pessoas não autorizadas e sem máscara no estádio, cumprimento só parcial do distanciamento social e alguns jogadores não terem lavado as mãos antes da etapa final.

Sob cautela
A rigidez se explica. Desde o início de junho, a Costa Rica viu a curva de casos da covid-19 subir. Na última quinta-feira (25), foram 169 novos infectados, maior número em 24 horas no país desde que a pandemia chegou. Antes do começo deste mês, o recorde era de 37 casos em um dia, em 9 de abril. “Vivemos, agora, uma nova onda, mais forte”, resume Castillo, da Rádio Teletica.

O recente avanço do novo coronavírus levou o governo costarriquenho a, inicialmente, suspender os dois jogos da final entre Saprissa e Alajuelense, antes marcados para 21 e 24 de junho – domingo e quarta-feira da semana passada, respectivamente. Liga, federação e poder público entraram em acordo e as partidas foram reagendadas. A de ida ocorreu justamente no último dia 24, com vitória do time da cidade de Alajuela por 2 a 0.

Há, no entanto, preocupação de que se repitam cenas como as da torcida do Liverpool, que ignorou as orientações sobre distanciamento e tomou as ruas para celebrar o título do Campeonato Inglês, o primeiro após 30 anos. “Temos o apoio do governo e feito uma grande campanha para que os torcedores do time campeão não saiam para comemorar. Na última terça-feira (23), na final da divisão de acesso, isso foi respeitado”, conclui Etcheverría, da Fedefutbol.

*Com Agência Brasil