Liverpool vence com gol de Firmino e Tottenham leva a melhor sobre o City na Liga dos Campeões

  • Por Jovem Pan
  • 09/04/2019 19h00
Montagem/Divulgação UEFAFirmino e Son foram os destaques de Liverpool e Tottenham

Liverpool e Tottenham saíram na frente na disputa pelas vagas nas semifinais da Liga dos Campeões ao vencerem Porto e Manchester City, respectivamente. Os confrontos disputados nesta terça-feira (9), marcaram a abertura das quartas de final da competição continental – o retorno está marcado para o próximo dia 17.

O Liverpool venceu o Porto por 2 a 0, no Anfield Road. O guineano Keita e o brasileiro Firmino fizeram os gols do time inglês, que poderá perder por até um gol de diferença no estádio do Dragão, na cidade do Porto.

Já o Tottenham venceu o Manchester City por 1 a 0, com gol do sul-coreano Son Heung-min. Com o resultado, os londrinos vão jogar por um empate fora de casa para avançar. Já o time de Pep Guardiola precisará ganhar por dois gols de diferença para seguir vivo na competição ou por 1 a 0 para levar a disputa à prorrogação e, caso necessário, aos pênaltis.

Boa vantagem

O Porto surpreendeu ao iniciar o jogo agredindo o Liverpool. Logo aos dois minutos, Marega finalizou, de virada, mas errou. A resposta inglesa não demorou e foi fatal. Mané, com liberdade, tocou para Firmino, que rolou para Keita. A finalização do guineano desviou e enganou o experiente Casillas para abrir o placar.

A partir daí o destaque foi o egípcio Salah, que passou a dominar o lado direito de ataque do Liverpool. O canhoto teve duas boas chances para ampliar o placar. Aos 17, Casillas fez boa defesa. Aos 21, Otavio recuou mal, o atacante ganhou na corrida do zagueiro Felipe, ex-Corinthians, tocou na saída do goleiro espanhol, mas errou o alvo por pouco.

Keita abre o placar para o Liverpool diante do Porto

O segundo gol saiu aos 25 minutos. Henderson, capitão do Liverpool, deu ótimo passe para Arnold, que cruzou para Firmino fazer 2 a 0. Parecia que o time inglês repetiria a goleada por 5 a 0 doa no passado, em Portugal, mas o time do Porto lutou, mesmo com o placar adverso, e criou algumas oportunidades para diminuir. Alisson, porém, mostrou segurança.

O panorama da segunda etapa foi semelhante. O Liverpool com o domínio da bola, enquanto o Porto era insinuante nos contra-ataques, que continuou na busca de pelo menos um gol. Marega, lutando contra toda a zaga inglesa, teve outras três chances. Na primeira, Alisson pegou. Nas outras duas, o atacante falhou e o placar se manteve.

Superação

O Tottenham precisou superar uma lesão de Harry Kane e voltou a contar com uma atuação decisiva do atacante Son Heung-min para vencer o Manchester City. Além disso contou com o brilho do francês Lloris, que defendeu um pênalti do argentino Agüero, titular no lugar de Gabriel Jesus, logo aos 12 minutos do primeiro tempo.

Depois disso, o que se viu em campo no primeiro tempo foi um jogo de poucas emoções e muita tensão. Aos 39 minutos, o volante Fernandinho correu sério risco de ser expulso ao acertar a cabeça de Harry Kane com o braço. O juiz, porém, não flagrou a imprudência do jogador brasileiro, que sequer cartão recebeu.

Na etapa final, Son foi o primeiro a dar mais trabalho aos defensores do City e obrigou o também brasileiro Ederson a trabalhar em um chute cruzado aos 4 minutos. E o sul-coreano ganhou uma responsabilidade maior no ataque pouco depois, aos 10, quando Kane levou um pisão de Delph no tornozelo em uma dividida e precisou deixar a partida.

Agüero desperdiça oportunidade de abrir o placar para o Manchester City

Com a saída de Kane, Mauricio Pochettino colocou Lucas Moura em campo. Do outro lado, Guardiola respondeu com a entrada de Gabriel Jesus no lugar de Agüero. Porém, quem acabou sendo decisivo mesmo foi Son, aos 33 minutos. Depois de receber um passe de Eriksen nas costas da zaga, o sul-coreano cortou a marcação e finalizou cruzado para marcar.

O gol só foi validado pela arbitragem após a consulta ao VAR, já que houve dúvida se a bola ultrapassou a linha de fundo quando Son dominou a bola antes de driblar Delph. Nos minutos finais, Guardiola arriscou ao colocar De Bruyne e Sané em campo nos lugares de Mahrez e David Silva, mas já era tarde e não houve tempo para reação.

Com informações de Agência Estado