Ivan, goleiro da seleção brasileira, lamenta adiamento dos Jogos: ‘Bateu uma tristeza’

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2020 09h42 - Atualizado em 06/05/2020 09h43
Denny Cesare/Estadão ConteúdoIvan é goleiro da Ponte Preta

Convocado por Tite para defender a seleção brasileira, Ivan é uma das principais promessas do futebol brasileiro. Titular no gol da Ponte Preta, o jovem vivia a expectativa de ser chamado para defender o Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que foram adiados devido à pandemia do novo coronavírus. Nesta quarta-feira (6), o arqueiro lamentou a decisão, mas disse que continuará treinando forte para voltar bem após a crise.

“Bateu uma tristeza sim (adiamento dos Jogos), porque a gente esperava muito essa competição, tivemos uma preparação para isso, mas sabemos que não temos como mudar essa situação. Preciso continuar trabalhando forte para que no ano que vem eu tenha essa oportunidade novamente”, disse o goleiro, em entrevista ao “Estado”.

Clubes da França e de Portugal, além de grandes do Brasil já tentaram tirá-lo da Ponte Preta. Corinthians, Grêmio e Palmeiras o sondaram, mas ele continua na equipe de Campinas e garante não ter pressa para seguir em frente. “Por enquanto eu me preocupo só com as quatro linhas, deixo essa parte de especulação ou algo do tipo para meus empresários cuidarem. Minha cabeça está voltada ao Campeonato Paulista e à Ponte Preta”, assegurou o jovem que chama a atenção desde sua estreia como titular.

O primeiro jogo de Ivan como titular foi em 17 de janeiro de 2018, quando a Ponte Preta derrotou o Corinthians, de Tite, por 1 a 0. Detalhe: Ivan pegou um pênalti cobrado por Jadson e deixou o estádio como o melhor em campo. Daí em diante, foi só alegria, completada com a convocação para a seleção brasileira em 16 de agosto de 2019, para amistosos contra a Colômbia e o Peru.

“Deu para assimilar tudo que aconteceu sim. Foi um turbilhão de coisas, mas já dá para ter uma noção. Sempre trabalhei para ter o melhor desempenho, seja nos treinamentos ou nos jogos. Faço o melhor para colher o melhor, então acredito que esse reconhecimento seja fruto de muito trabalho e muita coisa boa está por vir”, explicou o goleiro, que passou as últimas semanas em uma chácara na cidade de Piracicaba com a família.

O desafio nas últimas semanas foi manter o treino forte, sem desanimar com o adiamento da Olimpíada e com o fato de não saber quando voltará a jogar. “Consigo fazer alguns tipos de trabalho sim. Procuro fazer acompanhado por uma pessoa só para chutar a bola em minha direção. A Ponte tem colaborado com os treinos a distância, mas aquela intensidade de treino no CT com os companheiros eu estou sentindo muita falta”.

Ivan tem visto a discussão sobre o retorno do futebol brasileiro Ele espera que os responsáveis tenham cautela para saber o momento certo de mandar os atletas novamente para os gramados. “Esse é um assunto sério e delicado. Caso tenha algum risco para as pessoas envolvidas, seja nós, funcionários ou torcida, as autoridades não vão liberar. Então quando tudo estiver certo, a gente vai entrar em campo com mais tranquilidade e sem medo de contaminação, pensando somente no futebol”, opinou.

Como a Federação Paulista de Futebol e os clubes já informaram que o Paulistão terá continuação, Ivan já retornará em um grande desafio. A Ponte é a última colocada do Estadual e estaria rebaixada neste momento. A equipe aparece com sete pontos, seguido por Botafogo (8), Oeste, Água Santa e Ituano (todos com 10). Os dois piores cairão. E restam apenas duas rodadas para o fim.

“Acredito que a gente sairá dessa situação. Precisamos voltar com tudo. Todos sabemos das qualidades dos jogadores da Ponte”, disse, mostrando confiança que, inclusive, sua ascensão não seria prejudicada com uma queda no Estadual.

Um fato curioso e até certo ponto engraçado que poderia ter mudado a vida de Ivan é que ele era um goleiro que, por incrível que pareça, tinha medo de levar bolada. Algo que foi um problema para ele no passado, hoje é motivo de risada. “Eu tinha um pouco de medo de chute de curta distância, à queima-roupa. Aí teve um dia que o meu preparador de goleiros amarrou minhas mãos para atrás e fez eu defender sem as mãos (risos). Depois desse dia, não tive mais problemas”, contou.

*Com Estadão Conteúdo