Morre o craque Diego Maradona aos 60 anos

Maior ídolo do futebol argentino sofre parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, região metropolitana de Buenos Aires

  • Por Jovem Pan
  • 25/11/2020 13h40 - Atualizado em 25/11/2020 17h07
Divulgação/FIFADiego Maradona é o maior ídolo da história do futebol argentino

O ex-jogador argentino Diego Armando Maradona, 60, morreu nesta quarta-feira, 25, após sofrer uma parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, região metropolitana de Buenos Aires. A informação foi confirmada pelo biógrafo de Maradona, Ariel Palacios. Considerado um dos futebolistas mais geniais da história, Dios (Deus), como é conhecido pelos seus conterrâneos, encantou o mundo com seu talento, foi ídolo das torcidas de Boca Juniors-ARG e Napoli-ITA e protagonizou a conquista da Copa do Mundo de 1986, disputada no México. O herói do país vizinho foi socorrido por profissionais de saúde em sua casa, localizada no bairro Villanueva, na província de Tigre. Cerca de nove ambulâncias foram deslocadas para o local. No entanto, mesmo com o atendimento de urgência, ele não resistiu.

Maradona deixou cinco filhos. Diego Sinagra, 34, Dalma, 33, e Giannina, 31, nasceram nos anos 1980, durante o auge da carreira do craque. O rapaz, fruto de um relacionamento extraconjugal, só foi reconhecido pelo astro argentino em 2016. Já as mulheres são filhas de Diego com sua primeira mulher, Claudia Villafañe. Jana, 24, também nasceu de um relacionamento que o ex-jogador teve fora do casamento. Ela nasceu em 1996, mas só em 2014 os dois começaram a se relacionar como pai e filha. O caçula do quinteto é Diego Fernando Maradona Ojeda, 7. Ele é filho de Maradona com Veronica Ojeda, com quem o ídolo argentino foi casado por oito anos. A relação terminou em 2013.

A Associação de Futebol Argentino e a conta da seleção argentina no Twitter prestaram condolências pela rede social. “Até sempre, Diego. Será eterno em cada coração do planeta futebol”, manifestou-se o perfil da equipe bicampeã mundial. “A Associação de Futebol da Argentina, por meio do seu presidente, Claudio Tapia, manifesta sua mais profunda dor pela morte de nossa lenda, Diego Armando Maradona. Sempre estará em nossos corações”, escreveu a AFA. Personalidades como Pelé, Rivellino e o presidente da Argentina, Alberto Fernandéz, despediram-se da lenda do país vizinho.

No último dia 3 de novembro, o maior jogador da história da Argentina havia passado por uma cirurgia para drenar uma pequena hemorragia no cérebro. Os médicos que trataram Maradona não souberam dizer se o problema começou há pouco tempo ou se desenvolveu ao longo dos anos. Durante sua carreira de jogador, o argentino lidou com o vício em cocaína – chegou a ser internado algumas vezes para passar por reabilitação. O último trabalho de Diego foi como treinador do Gimnasia de La Plata.