Neymar faz partida discreta, Brasil decepciona e apenas empata com Senegal

  • Por Jovem Pan
  • 10/10/2019 10h58 - Atualizado em 10/10/2019 11h29
Reprodução/Twitter/Brasil Global TourNeymar jogou os 90 minutos na partida da seleção brasileira contra Senegal

A seleção brasileira decepcionou ao ficar apenas no empate em 1 a 1 com Senegal, nesta quinta-feira (10), em Singapura. Roberto Firmino abriu o placar da partida com classe, mas Diédhiou deixou tudo igual em cobrança de pênalti.

Sem aplicar um ritmo forte, o Brasil não conseguiu dominar o adversário e fez apenas jogo equilibrado com os africanos. Principal peça do time, Neymar não desequilibrou e deixou o baixo público do Estádio Nacional frustrado.

Com o resultado, a Canarinho coleciona três confrontos sem vitória. O time treinador por Tite empatou com a Colômbia e perdeu para o Peru nos embates anteriores.

No próximo domingo (13), a seleção enfrenta a Nigéria, também em Singapura, no fechamento da penúltima Data Fifa de 2019.

Em dia “histórico”, Neymar faz partida discreta

Neymar entrou em campo representando a Seleção Canarinho pela centésima vez . Antes da partida, o próprio atacante classificou o dia “como histórico” e prometia entregar uma boa atuação em Singapura. Em campo, no entanto, o astro foi completamente discreto, aparecendo pouco nas jogadas ofensivas.

O primeiro tempo de Neymar ficou marcado pelo excesso de erros. Além de ter realizado poucas jogadas individuais, o camisa 10 falhou em passes simples e desperdiçou  uma boa chance no último lance.

No segundo tempo, Neymar voltou um pouco mais participativo, mas nada que encantasse o baixo público presente no Estádio Nacional. Sua melhor chance foi em cobrança de falta, que passou por cima do travessão.

Brasil marca cedo, mas cochila e leva o empate

Sem imprimir um ritmo forte, o Brasil não encontrou muitas dificuldades para abrir o placar. Aos 8, Gabriel Jesus, posicionado à direita no ataque, cortou para dentro e enfiou para Firmino, que tocou com categoria por cima do goleiro.

Na frente do marcador cedo, o time treinado por Tite seguiu sem pressionar e viu a seleção senegalesa acordar. A partir dos 18 minutos, os africanos começaram a incomodar. Gueye, em batida de fora da área, assustou o goleiro Ederson.

Mais aberta, a partida passou a ficar interessante, com melhores momentos para Senegal. No final da etapa inicial, a equipe de Mané foi coroada com o empate. Aos 44, o craque do Liverpool aplicou belo drible em Marquinhos e foi derrubado pelo zagueiro dentro da área. Na cobrança, Diédhiou soltou uma pancada no canto, sem chance para Ederson, que ainda acertou o canto.

Seleção segue sem se impôr no segundo tempo

Na volta do intervalo, o Brasil adiantou a marcação, pegou mais rebotes e começou a ter mais controle do jogo. Ao mesmo tempo, a equipe pouco criava, deixando o jogo pouco emocionante. Neymar, em batida de falta, foi quem mais se aproximou do segundo tento no começo do tempo complementar.

Assim, Tite promoveu as entradas de Everton Cebolinha, Matheus Henrique e Richarlison para tentar mudar o panorama da partida, o que não aconteceu.

Nos minutos finais, Senegal é quem ficou mais perto de sair com a vitória. Aos 39, Sidy Sarr bateu de fora da área, exigindo defesa plástica de Ederson. No minuto seguinte, foi a vez de Mané recuperar a bola no ataque e acertar a trave.

No fim, Richarlison até teve boa chance dentro da área, mas chutou ao lado da meta e não conseguiu dar a vitória para a seleção brasileira.

FICHA TÉCNICA

BRASIL 1 X 1 SENEGAL 

Brasil: Ederson; Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos e Alex Sandro (Renan Lodi); Casemiro, Arthur (Matheus Henrique) e Philippe Coutinho (Richarlison) ; Neymar, Gabriel Jesus e Roberto Firmino (Everton Cebolinha).

Treinador: Tite.

Senegal: Gomis; Gassama, Koulibaly, Sané e Coly; Kouyaté (S. Sarr), Gueye (Ndiaye) e Diatta; I. Sarr (Thioub), Mané e Diédhiou (Habibi Diallo).

Treinador: Aliou Cissé.

Gols: Roberto Firmino, aos 8 minutos do 1º tempo (Brasil); Diédhiou, aos 45 minutos do 1º tempo (Senegal).

Cartões amarelos: Marquinhos e Alex Sandro (Brasil); Kouyaté e Koulibaly (Senegal)