Gabigol marca e festeja aniversário com vitória do Flamengo sobre o Santos

Time da Vila Belmiro saiu derrotado por 1 a 0 em jogo da 6ª rodada do Campeonato Brasileiro

  • Por Jovem Pan
  • 30/08/2020 18h28 - Atualizado em 30/08/2020 18h34
WILIAN OLIVEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO jogador Gabigol comemora gol do Flamengo, durante a partida entre Santos e Flamengo, válida pelo Campeonato Brasileiro da Série A, na Vila Belmiro, em Santos (SP), neste domingo (30)

Gabriel Barbosa, o Gabigol, festejou os 24 anos, completados neste domingo (30), com o gol que garantiu a vitória do Flamengo sobre o Santos, na Vila Belmiro, por 1 a 0, em jogo válido pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro. Formado no time santista, o atacante poderia ter feito pelo menos mais três gols na partida. Com a vitória, o Flamengo chegou aos oito pontos e superou o Santos, que permaneceu com sete. O jogo pode ser considerado de bom nível para o fraco desempenho das equipes brasileiras atualmente.

O Flamengo, de Domènec Torrent, não tem nada a ver com o de Jorge Jesus, mas mostra uma velocidade muito grande e organização para aproveitar os contra-ataques, enquanto o Santos, de Cuca, apesar da derrota, contou mais uma vez com a boa fase de Marinho e com o talento de Raniel. O primeiro tempo foi um dos melhores do futebol brasileiro após paralisação por causa da pandemia do novo coronavírus. O Santos teve mais o domínio do jogo, com destaque para Marinho, articulador e finalizador de várias jogadas. Ele teve a boa companhia de Raniel e Felipe Jonathan. No Flamengo, Domènec Torrent, mais uma vez, mostrou que não aprova Arrascaeta e Everton Ribeiro juntos em campo e, por isso, deixou o segundo no banco. O rubro-negro, ao contrário do ano passado, atuou uma postura de iniciar a marcação em seu campo e atuar apenas nos contra-ataques.

Foram várias as chances de ambos os lados. Em menos de dez minutos, três boas chances. Duas para o Santos, mas a mais perigosa com Michael, que poderia ter aberto o placar, aos seis minutos, mas mesmo sem goleiro, chutou para fora. O Santos chegou a marcar duas vezes: com Raniel e Marinho, mas o VAR foi acionado e anulou os gols, irritando os jogadores e o técnico Cuca. O time de Vila Belmiro seguiu melhor e obrigou o goleiro Diego Alves a fazer pelo menos três boas defesas. Chute de Michael também parou nas mãos de João Paulo.

Além do bom futebol a primeira etapa também foi marcada por lances ríspidos, que levaram o árbitro goiano Wilton Pereira Sampaio usar cinco vezes o cartão amarelo e dar nove minutos de acréscimo. Foi nesse período que o Flamengo fez o seu gol. Aos 50 minutos, Felipe Jonathan perdeu a bola para Gabriel na intermediária de ataque do Santos. Michael puxou contra-ataque muito veloz e tocou para Gabriel, dentro da área, bater firme: 1 a 0. Na comemoração, o atacante homenageou o ator norte-americano Chadwick Boseman, morto na última sexta-feira, vítima de um câncer de cólon. Na sequência, falou alguma coisa para Marinho e a confusão foi estabelecida. Até Cuca levou cartão amarelo. No intervalo, Pedro Doria, membro do Comitê de Gestão do Santos, entrou no gramado para reclamar da arbitragem.

O jogo iniciou o segundo tempo igual. Chances para os dois lados, com o Santos na pressão e o Flamengo nos contra-ataques. Aos 17 minutos, Raniel bateu bonito da entrada da área e Diego Alves fez linda defesa, mas caiu de mal jeito, machucou o ombro e precisou ser substituído por César. Mas a partir dos 20 minutos, os jogadores sentiram a parte física, que ainda não é a ideal após tantos meses de paralisação por causa da pandemia. Talvez este possa ter sido o motivo para Gabriel perder duas enormes oportunidades. Aos 22, recebeu de Everton Ribeiro na corrida e bateu para fora. Aos 23, o estreante Isla cruzou da direita e o atacante fez até pose para tocar na bola, mas errou o alvo. Santos e Flamengo não repetiram o jogo históricos de 2011, vencido pelos cariocas por 5 a 4, com show de Ronaldinho Gaúcho e Neymar, mas proporcionaram algo melhor que as últimas atuações no Campeonato Brasileiro.

*Com Estadão Conteúdo