Após gol anulado do São Paulo, Mauro Beting defende mudança na regra do impedimento; entenda

O VAR apontou impedimento de Luciano em um lance milimétrico, cujas imagens fizeram muitos torcedores duvidarem até da eficácia da tecnologia; confira a análise do comentarista do Grupo Jovem Pan

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2020 10h35 - Atualizado em 04/09/2020 11h10
Montagem sobre fotos/ReproduçãoMauro Beting analisou o polêmico gol anulado do São Paulo contra o Atlético-MG

É possível uma vitória por 3 a 0 ser ofuscada por uma polêmica de arbitragem? O jogo entre Atlético-MG e São Paulo, disputado na última quinta-feira, 03, no Mineirão, provou que sim. Após o triunfo alvinegro na partida válida pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro, o que monopolizou as discussões foi o gol anulado do time tricolor, anotado por Luciano quando a partida ainda estava empatada por 0 a 0. O VAR apontou impedimento do atacante em um lance milimétrico, cujas imagens fizeram muitos torcedores duvidarem até da eficácia da tecnologia.

Para o comentarista Mauro Beting, do Grupo Jovem Pan, o lance, extremamente ajustado, prova que, em tempos de árbitro de vídeo, deveria haver uma mudança na regra do impedimento. “Em Santos x Flamengo, a olho nu, eu teria dado os dois gols. Nesse lance de Atlético-MG x São Paulo, eu também teria dado o gol se não houvesse o VAR. Tendo o VAR, ok, vamos aguardá-lo. Mas as imagens mostradas pela transmissão da cabine do VAR, mesmo apontando um impedimento que a gente chama de milimétrico, mas que é por questão de centímetros, e isso não depende só da tecnologia, mas do operador dessa tecnologia, que determina: ‘é aqui que eu dou o pause, é aqui que é o momento de congelar a imagem’. Um pouquinho para cá, um pouquinho para lá… É outra história. Eu vou além da discussão do VAR para discutir a própria regra 11, do impedimento. Acho que tem que ser um pouco mais clara”, afirmou.

“Em um lance como esse, ou vamos retomar aquele conceito de que mesma linha segue o jogo, ou, no caso, vamos tentar destrinchar essa mesma linha e falar: ‘quando claramente houver uma cabeça, um ombro, um joelho, uma omoplata à frente, aí sim!’. Em casos como o da Vila Belmiro e, nesse do São Paulo mais ainda, eu acho que tem que seguir o jogo. E, nisso, o São Paulo acabou sendo prejudicado. Não pelo VAR, mas pelas circunstâncias e até animicamente. O São Paulo mandava no jogo, já tinha mandado bola no travessão, estava 0 a 0 a partida, o lance de gol do Luciano foi anulado, e, a partir daí, o Atlético-MG se achou. Eu acho que, com o VAR, não dá mais para fazer mesma linha. Ou você faz algo mais amplo, quase que indiscutível, ou a gente vai ter ainda mais discussão como essa”, acrescentou.

O polêmico gol anulado do São Paulo aconteceu aos 30min do primeiro tempo. Após lançamento de Tchê Tchê, Luciano apareceu livre nas costas da zaga do Atlético-MG, antecipou-se ao goleiro Rafael e cutucou para o fundo das redes. Após revisão do VAR, no entanto, a jogada foi invalidada. De acordo com o árbitro de vídeo, o atacante tricolor estava à frente do paraguaio Junior Alonso no momento do passe de Tchê Tchê. A decisão da arbitragem mudou os rumos do jogo, que até então era dominado pelo São Paulo, mas acabou com vitória dos donos da casa por 3 a 0.

Confira o comentário completo de Mauro Beting no vídeo abaixo: