Fernando Diniz dá sua versão após chamar Tchê Tchê de ‘ingrato’ e ‘mascaradinho’; veja

Treinador do São Paulo falou sobre a bronca no meio-campista e chamou a responsabilidade pela derrota diante do RB Bragantino; assista

  • Por Jovem Pan
  • 07/01/2021 10h44
Foto: LUCIANO CLAUDINO/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDOFernando Diniz comandando o São Paulo durante a derrota para o RB Bragantino

A discussão entre Fernando Diniz e o meio-campista Tchê Tchê durante a derrota do São Paulo para o RB Bragantino, na noite da última quarta-feira, 6, no interior do estado, repercutiu. Ainda no primeiro tempo da partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro, as câmeras de transmissão da partida flagraram o treinador chamando o jogador de “ingrato”, “perninha” e “mascaradinho” da beira do campo. Já na etapa complementar, o volante acabou sendo expulso após acertar o braço no rosto do adversário, amplificando a bronca dada pelo técnico. Em entrevista coletiva, Diniz deu a sua versão sobre o ocorrido.

“Em relação Tchê Tchê, é coisa do jogo. Eu tenho meu jeito de cobrar, que todo mundo conhece e ele principalmente. Vamos resolver isso internamente. Sobre a expulsão, não dá para saber se a bronca influenciou. Tem a coincidência de ter tido a discussão, mas poderia ter acontecido de outra forma e em outro dia. Não dá para afirmar nada sobre isso. Isso é especulação, e eu não vou responder sobre especulação. Juntar uma coisa com a outra não é uma certeza. Não é comum a gente ter jogadores expulsos, essa é a primeira expulsão da temporada. Não acho que tem interferência a discussão com a expulsão”, disse Fernando Diniz.

O São Paulo foi surpreendido pelo adversário e acabou sendo derrotado por 4 a 2, em uma das piores exibições do Tricolor no Brasileirão. Fazendo um  balanço do confronto, Diniz chamou a responsabilidade pelo resultado e identificou os problemas do grupo diante do RB Bragantino. “Fizemos uma partida ruim em todo jogo e em todos os sentidos. Quando acontece isso, o treinador é o principal responsável. Já é em todas as circunstâncias, mas quando o time coletivamente vai mal, o técnico é o maior responsável. Foi o que aconteceu. Não conseguimos sair jogando devido a forte marcação do Bragantino. Eles prepararam o campo para a saída de bola ficar mais lenta com o gramado alto. Não conseguimos desenvolver nosso jogo de saída. Cedemos algumas contra-ataques por mau posicionamento, e isto não é por falta de um ou outro jogador”, falou.

A derrota do São Paulo só não foi pior porque o Flamengo acabou sendo derrotado pelo Fluminense no mesmo horário. Assim, o líder Tricolor mantém sete pontos de diferença para  o Atlético-MG e o Rubro-Negro carioca, segundo e terceiro colocados, respectivamente, que possui uma partida a menos em relação ao conjunto paulista.