Sem espaço com Cuca, Igor Gomes admite que ficou ‘chateado’ e revela: não via empréstimo com ‘maus olhos’

  • Por Jovem Pan
  • 12/10/2019 17h07
ReproduçãoIgor Gomes deu entrevista exclusiva ao repórter Giovanni Chacon, da Rádio Jovem Pan

Sensação do São Paulo na reta final do Campeonato Paulista, o jovem Igor Gomes, de apenas 20 anos, não teve a sequência imaginada após a competição estadual. Sob o comando de Cuca, foi titular em somente dois jogos no Campeonato Brasileiro e saiu do banco em 12 totalizando 425 minutos em campo em um intervalo de cinco meses. A pouca utilização durante a maior parte da temporada chateou o jogador, que, no meio do ano, não via com maus olhos um possível empréstimo para a Europa. As revelações foram feitas pelo próprio Igor Gomes, em entrevista exclusiva ao repórter Giovanni Chacon, do Grupo Jovem Pan.

“No futebol, a gente tem uma regra básica, que é: que quem escala é o treinador. Então, na hora em que o Cuca assumiu, ele optou por outros jogadores, e eu tenho que respeitar. Eu trabalho para o São Paulo, quem escala é o treinador, eu respeito, mas uma coisa que não posso deixar de negociar é o meu esforço, o meu trabalho dentro de campo. Fiquei chateado, é lógico, porque o jogador quer sempre jogar, mas continuei trabalhando, firme, com a mesma pegada, sabia que uma hora teria outra oportunidade… Demorou um pouquinho, mas estou tendo de novo. Estou voltando aos poucos, sempre com humildade e trabalhando para cavar o meu espaço”, afirmou.

No fim de julho, o empresário de Igor, Wagner Ribeiro, esteve no CT da Barra Funda para apresentar uma proposta ao São Paulo. Tratava-se de uma oferta de empréstimo de um clube da primeira divisão espanhola ao jovem meio-campista. Questionado se cogitou deixar o São Paulo naquele momento e se tem o objetivo de jogar no Velho Continente, o jogador foi sincero.

“Meu primeiro objetivo sempre é jogar no São Paulo. Quero deixar bem claro que eu quero jogar aqui, me firmar como titular, porque eu nasci aqui praticamente… Tenho 11 anos de casa. Não é pouco tempo. Sou muito apegado a esse clube, torço por ele, e quero fazer história aqui. Só que tem a parte profissional… Na época, eu não estava tendo tantas oportunidades e não via com maus olhos um empréstimo”, revelou, antes de explicar por que ficou.

“Eu preferi esperar um pouco, quem sabe brigar um pouquinho mais para ter mais oportunidades. Querendo ou não, eu tive só uma sequência e dei resultado, fiz bons jogos. Então, eu preferi dar mais uma chance para mim mesmo por amor ao São Paulo e também pela minha parte profissional. Eu não posso deixar isso de lado, também. A partir do momento em que eu perceber que preciso de novos ares, é lógico que vai ser triste, mas vou pensar… Neste momento, a minha cabeça está totalmente aqui. Eu quero muito fazer história, conquistar títulos no São Paulo e, quem sabe mais para frente, servir a algum time na Europa.”

A chateação pela perda de espaço com Cuca se transformou em animação após a chegada de Fernando Diniz. O jovem atuou – saindo no banco – em duas das três partidas disputadas pelo São Paulo com o novo treinador e, inclusive, anotou o gol da vitória sobre o Fortaleza, no último fim de semana, no Pacaembu. Segundo Igor, Diniz tem “ideias de futebol” mais compatíveis com as dele.

“O futebol pede algumas coisas que o professor Diniz, hoje, aplica bastante, tem como ideal, que são a intensidade, o toque de bola rápido, a movimentação… É lógico que, de treinador para treinador, cada um tem a sua cabeça, mas o professor Diniz tem mais as ideias que eu acredito de futebol, de caminho do gol. Acho que a gente está no caminho certo. Ele faz um baita de um trabalho… Não só taticamente, mas para a evolução de cada atleta. Acho que vai ser bom não só para mim, mas para todos os outros”, finalizou.

A entrevista exclusiva de Igor Gomes a Giovanni Chacon vai ao ar, na íntegra, no próximo domingo, no Seleção Jovem Pan. Fique ligado!