Após polêmica na Austrália, Djokovic tem liderança do ranking ATP ameaçada

Sérvio pode deixar de ser o número 1 do mundo no tênis após 350 semanas

  • Por Jovem Pan
  • 21/02/2022 11h54
Reprodução/Instagram/djokernole Novak Djokovic jogando tênis Djokovic pode deixar de ser o número 1 do mundo

Novak Djokovic pode deixar de ser o número 1 do mundo no tênis na próxima semana. Após ser barrado do Aberto da Austrália por não ter se vacinado contra a Covid-19, o sérvio viu sua diferença para o russo Daniil Medvedev cair para somente 440 pontos no ranking da ATP – a atualização foi feita nesta segunda-feira, 21. Desta forma, “Djoko” pode perder seu reinado após mais de 350 semanas no topo já na próxima semana, caso o rival conquiste o Torneio de Acapulco, no México. Há outras possibilidades para Medvedev ser o líder do ranking: ficar com o vice no México e o sérvio não conquistar o título em Dubai ou se ambos forem eliminados na semifinal nos respectivos torneios.

Admitindo perder outros campeonatos por não estar vacinado, Djokovic já admite perder a liderança do ranking. “Eu sei que está perto, está em suas mãos. Acho que mais cedo ou mais tarde isso vai acontecer. Ele (Medvedev) merece. Se ele conseguir esta semana, serei o primeiro a parabenizá-lo”, disse o sérvio. Medvedev seria o terceiro russo da história a alcançar o topo do ranking da ATP. Antes, apenas Yevgeny Kafelnikov (1999) e Marat Safin (2000-2001) conseguiram o feito. Já quanto aos brasileiros, Thiago Monteiro, eliminado nas oitavas do Rio Open pelo italiano Matteo Berrettini, é o melhor do país na relação. Ele perdeu uma posição no ranking e agora aparece no 107° posto.

Confira o ranking:

  • 1° – Novak Djokovic (Sérvia) 8.875 pontos
  • 2° – Daniil Medvedev (Rússia) 8.435
  • 3° – Alexander Zverev (Alemanha) 7.515
  • 4° – Stefanos Tsitsipas (Grécia) 6.565
  • 5° – Rafael Nadal (Espanha) 6.515
  • 6° – Matteo Berrettini (Itália) 4.928
  • 7° – Andrey Rublev (Rússia) 4.590
  • 8° – Casper Ruud (Noruega) 3.975
  • 9° – Félix Auger-Aliassime (Canadá) 3.883
  • 10° – Jannik Sinner (Itália) 3.429
  • 11° – Hubert Hurkacz (Polônia) 3.333
  • 12° – Cameron Norrie (Reino Unido) 3.070
  • 13° – Diego Schwartzman (Argentina) 2.865
  • 14° – Denis Shapovalov (Canadá) 2.863
  • 15° – Roberto Bautista (Espanha) 2.585
  • 16° – Taylor Fritz (Estados Unidos) 2.265
  • 17° – Pablo Carreño Busta (Espanha) 2.181
  • 18° – Reilly Opelka (Estados Unidos) 2.156
  • 19° – Nikoloz Basilashvili (Geórgia) 2.156
  • 20° – Carlos Alcaraz (Espanha) 2.061
  • 107° – Thiago Monteiro (Brasil) 630