Prefeitura do Rio desiste de construir autódromo em área de Mata Atlântica

A construção da pista era estratégia central da empresa Rio Motorpark para tirar de São Paulo o direito de sediar a etapa brasileira da Fórmula 1; presidente Jair Bolsonaro e ex-prefeito Marcelo Crivella apoiavam a mudança

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2021 10h36
Reprodução Projeto do Autódromo em Deodoro envolve a Floresta de Camboatá

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou nesta segunda-feira, 1º, que desistiu oficialmente da construção de um autódromo na Floresta do Camboatá, no bairro de Deodoro, na zona oeste da cidade. Os responsáveis pelo empreendimento queriam a pista em uma área de Mata Atlântica, o que despertou a mobilização de entidades de proteção ambiental e de milhares de pessoas. A desistência foi confirmada na última sexta-feira, quando a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smac) encaminhou ofício ao Instituto Estadual do Ambiente (Inea) pedindo o arquivamento do processo que pedia o licenciamento da área de floresta para a construção da pista.

Segundo a Smac, no documento o secretário municipal de Meio Ambiente, Eduardo Cavaliere, destacou que a Floresta do Camboatá “é um patrimônio ambiental da cidade do Rio, que exerce papel fundamental de conexão entre os maciços da Pedra Branca e do Mendanha, unidades protegidas por legislações estaduais e municipais”, e que a área é considerada prioritária para o projeto de criação de “Corredores Verdes” da capital fluminense. “No que depender da Prefeitura, esse autódromo não será construído no Camboatá. Foi uma promessa de campanha do prefeito Eduardo Paes que está sendo cumprida. Na década da restauração ambiental, precisamos falar em recuperar espaços verdes e não destruí-los”, sustentou o secretário.

A construção da pista era estratégia central da empresa Rio Motorpark para tirar de São Paulo o direito de sediar a etapa brasileira da Fórmula 1. A mudança tinha o apoio do ex-prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) e do presidente Jair Bolsonaro, que em maio de 2019 chegou a anunciar que “o novo autódromo será construído em seis, sete meses, após o início das obras” e que “a Fórmula 1 do ano que vem (2020) será realizada no Brasil e, no caso, no Rio de Janeiro”.

Projeto para autódromo no Rio de Janeiro

*Com informações do Estadão Conteúdo