Verstappen garante a pole no GP da Holanda e pode voltar à liderança da Fórmula 1

Red Bull e o holandês fizeram festa com o resultado diante da vibração das arquibancadas dominadas pela cor laranja na volta da F1 à pista de Zandvoort após 36 anos

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2021 12h33 - Atualizado em 04/09/2021 12h38
EFE/EPA/REMKO DE WAALMax Verstappen subiu no carro para comemorar a pole no GP da Holanda

Max Verstappen pode recuperar a liderança do Mundial de Pilotos neste domingo, em casa. Apenas três pontos atrás de Lewis Hamilton, o piloto da Red Bull dominou completamente o treino para o GP da Holanda, em Zandvoort e, com 1min08s885, cravou a pole position no retorno da Fórmula 1 ao país após 36 anos. Verstappen fez a sétima pole position na temporada, superando Lewis Hamilton, da Mercedes, por apenas 38 milésimos. Valtteri Bottas fez o terceiro tempo. Red Bull e o holandês fizeram festa com o resultado diante de enorme vibração das arquibancadas dominadas pela cor laranja. O piloto subiu no carro para agradecer o apoio do público. “Um sentimento muito bom, a torcida está sendo incrível, foi muito gostoso. O carro está muito bom e essa pista é muito legal”, comemorou Verstappen. “A corrida não vai ser fácil, mas ultrapassar aqui é difícil. Hoje fui bem e espero repetir amanhã.” O Q1 começou com as equipes menores na pista. E a Haas mostrando que segue com desempenho bastante abaixo. Entre os favoritos, a Red Bull é quem entrou primeiro, com pneus macios para Sergio Perez e Max Verstappen. O holandês foi logo marcando o melhor tempo. As Mercedes acompanharam o ritmo do rival, mesmo apostando em pneus médios. Pierre Gasly, com AlphaTauri, e George Russell, da Williams, eram as surpresas.

Depois de rodar sozinho pela manhã e bater forte na proteção de pneus, a dúvida estava em como seria o desempenho da Ferrari reconstruída de Carlos Sainz. O espanhol mostrou que estava tudo certo ao fazer o oitavo tempo na primeira tentativa. Com tempos próximos, muitos tiveram de fazer até três tentativas. O cronômetro zerou com as Ferraris de Leclerc e Sainz melhorando bem e nas duas primeiras posições. E com decepção para Perez, apenas o 16° com sua Red Bull, e Sebastian Vettel em 17°, com a Aston Martin. Mexicano e alemão reclamaram da lentidão dos outros pilotos na curta pista de Zandvoort, mais longa apenas que o traçado de Mônaco. A direção da prova só avaliaria os protestos após o treino.

Para não correr riscos, Verstappen foi logo para a pista no Q2 e com 1min09s071, então a melhor marca do fim de semana, ficou mais de seis décimos à frente de Hamilton e Bottas. Leclerc e Gasly seguiram bem, no Top 3. Sainz era apenas o sétimo restando pouco mais de seis minutos. Lando Norris não conseguia acertar o carro da McLaren. Como nos treinos anteriores, mais uma vez a bandeira vermelha marcou presença, após George Russell parar na brita após rodar. Conseguiu voltar à pista e teria tempo para ainda tentar avançar ao Q3. Trocou o bico de sua Williams, mas a equipe identificou mais problemas no carro. O treino ainda teria 3min54s, sem o britânico. Todos os pilotos teriam tentativas. Ninguém chegou a completar tempo e nova batida, agora da outra Williams, de Nicholas Latifi, encerrando o Q2 com 1min38s, para desespero de Lance Stroll, Lando Norris (primeira vez acima dos 10 primeiros no grid) e Yuki Tsunoda fora do Q3 assim como as Williams. Verstappen veio para pista com “fome” para cravar a pole e logo na primeira tentativa, faz volta impressionante de 1min08s923 e recebe muitos aplausos das arquibancadas laranjas. Bottas superou Hamilton e as Ferraris ficaram atrás de Gasly. Na tentativa final, o holandês melhorou sua volta para cravar a pole com somente 38 milésimos na frente de Hamilton, o que promete uma empolgante largada neste domingo.

*Com informações do Estadão Conteúdo.