R. Oliveira se manifesta e manda recado no Santos: “não vai faltar empenho”

  • Por Jovem Pan
  • 04/03/2016 11h38
Ricardo Oliveira não engou a tristeza pela negociação frustrada com o futebol chinês

Depois de manifestar o desejo de sair e de se frustrar com o desfecho negativo de sua transferência para o futebol chinês, o atacante Ricardo Oliveira finalmente se manifestou no Santos. Em entrevista ao canal do Peixe no Youtube, o camisa 9 não escondeu a tristeza por perder a oportunidade de ganhar salário seis vezes maior na Ásia, mas destacou que não faltará empenho enquanto vestir o manto alvinegro.

“Vi uma possibilidade enorme de deixar no clube um valor que ele não se esperava. Porque, de fato, no Brasil é assim. Jogador passou dos 30 anos, ele não tem valor, você não vai pagar nada por ele. Cheguei com 34 anos no Santos, ajudei o Santos, o Santos me ajudou e assim estamos até hoje. Eu vi uma oportunidade muito boa para mim financeiramente para mim, mas também extremamente boa para a instituição que investiu zero de dinheiro em um atleta e, um ano depois, teria uma valorização de aproximadamente R$ 30 milhões”, explicou o artilheiro alvinegro.

Frustrado com a negativa da negociação, Ricardo destacou que não deixará de se dedicar para colaborar com o Santos

“Minha única preocupação é que o torcedor não caia nas armadilhas a imprensa, de que eu não estou comprometido, que estou cabisbaixo. Fiquei triste? Fiquei. Mas passou, não dá para ficar lamentando. Agora, eu jamais vou me resguardar de não correr de não me doar”, disse o centroavante.

“Eu joguei contra o Red Bull, mas antes fiquei três dias cuidado da negociação, fiquei fora contra o Mogi. Estava sem treinar por causa da correria, não fiz o trabalho que tinha para fazer, fui para o jogo e senti uma sobrecarga no joelho. Fiz ressonância, fui para a fisioterapia, fortalecimento e hoje fui para o campo treinar. Então, não vai existir jamais má vontade e corpo mole de minha parte”, completou.

Convocado para a Seleção Brasileira, Ricardo Oliveira se mostrou contente e mais uma vez negou o abatimento por seguir no Peixe.

“Estou completamente preparado (para servir a Seleção). Naquele momento foi difícil, nãos e deu, passou, agora, o que está na minha frente é continuar: jogando, me doando, fazendo gols, ajudando meus companheiros para colocar o Santos onde merece estar. O que para mim importante, é o que está proposto aqui na frente. Não vai faltar empenho, não vai faltar vontade”, declarou.