Ricardo Gareca deixa ideia de demissão em aberto: “também tenho limites”

  • Por Jovem Pan
  • 17/08/2014 20h53

O técnico Ricardo Gareca deixou em aberto a ideia de pedir demissão do cargo

Ricardo Gareca

O Palmeiras completou nove jogos sem vitória no Campeonato Brasileiro com a derrota por 2 a 1 no clássico contra o São Paulo, disputado neste domingo, no estádio do Pacaembu, e a situação da equipe ficou ainda mais complicada, já que o Botafogo venceu o clássico contra o Fluminense e ‘jogou’ o alviverde de Palestra Itália para a zona de rebaixamento.

Depois do revés, o técnico Ricardo Gareca, do Palmeiras, concedeu entrevista coletiva e chegou, de forma indireta, a deixar em aberto a ideia de pedir demissão do cargo.

“Tenho experiência nessa situação, mas também tenho limites. Meus limites, por ora, não analiso, mas eu tenho limites. Asseguro que a diretoria, a torcida, todos têm limites. Penso que, com este rendimento, Palmeiras pode ir melhorando. Mas vou pensar bem neste jogo”, declarou. “Penso que cada vez tenho menos tempo. Cada vez tenho menos crédito. Eu sei. Por isso, falo também de meus limites como treinador. Por agora, não penso nisso. Tenho que ir à minha casa, onde moro, e pensar, falar com meu comando técnico, para ver o que é o melhor para o Palmeiras. Quero o melhor para mim e o melhor para o Palmeiras”, prosseguiu o comandante.

O técnico também rechaçou a ideia de que o goleiro Fábio, que falhou no primeiro gol do São Paulo e teve má sorte no segundo, tenha responsabilidade para o resultado negativo no clássico.

“Todos cometemos erros e, para mim, ele não tem responsabilidade. A responsabilidade, em primeiro lugar, é minha. É do comando técnico. Todos sempre podemos cometer erros. Não responsabilizo Fábio por isso, de jeito algum”, afirmou.

Ricardo Gareca também falou um pouco sobre a apresentação do time no clássico e não escondeu que Valdivia, que saiu de campo no começo do primeiro tempo, depois de tomar uma pancada no rosto, fez falta.

“Jogamos 20, 25 minutos do primeiro tempo bem. O São Paulo controlou bem a segunda metade do primeiro tempo. Depois, o segundo tempo foi bom do Palmeiras. No geral, em 90 minutos, penso que foram mais coisas boas do que mais em relação ao rendimento do Palmeiras”, observou. “Valdivia foi muito importante enquanto esteve em campo. Ele recebeu um golpe na cabeça, está sendo observado, mas não sei as consequências. O time sentiu a ausência de Valdivia, mas depois retomou. Manteve o nível no segundo tempo e isso me deixa tranquilo”, continuou.

Por fim, o comandante frisou que, caso a equipe mantenha o padrão de jogo, o Palmeiras tem tudo para sair da situação incômoda.

“Penso que tem que manter esse nível. Para sair dessa situação nós temos que manter esse nível de jogo. Mantendo esse nível de jogo, acho que dá para sair”, pontuou.