Acordo nuclear e segurança serão temas de encontro entre Obama e rei saudita

  • Por Agencia EFE
  • 03/09/2015 23h01

Raquel Godos

Washington, 3 set (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, recebe nesta sexta-feira pela primeira vez na Casa Branca o monarca da Arábia Saudita, o rei Salman, um encontro no qual o pacto nuclear com o Irã e a segurança na região do Golfo Pérsico serão assuntos prioritários.

“Esta é uma visita importante em um momento importante com muitos eventos na região, com interesses compartilhados com a Arábia Saudita e a recente conclusão do acordo do Irã, a cúpula de Camp David com a Arábia Saudita e nossos outros parceiros do Golfo”, explicou Ben Rhodes, assessor adjunto de Segurança Nacional da Casa Branca, em entrevista coletiva.

“Esta visita será uma oportunidade para que o presidente dê seguimento aos avanços que estamos fazendo na agenda de Camp David, para discutir o acordo com o Irã, e também para abordar nossos esforços para resistir às atividades iranianas prejudiciais na região, além de, certamente, para discutir uma ampla gama de temas regionais”, acrescentou Rhodes.

A reunião na Casa Branca, que acontecerá poucos dias depois de Obama ter assegurado suficiente apoio no Congresso para garantir que o pacto iraniano entre em vigor, representa o primeiro esforço importante do governo dos EUA para tranquilizar grandes aliados do Golfo Pérsico à medida que o acordo entre em uma nova fase.

O funcionário reconheceu que a Administração Obama compreende as preocupações da Arábia Saudita sobre o comportamento do Irã na zona, incluindo seu apoio a grupos terroristas e os benefícios econômicos que possa obter após o levantamento das sanções que o acordo contempla.

No entanto, o assessor do líder considerou que o histórico acordo alcançado pelo G5+1 (EUA, China, Rússia, França e Reino Unido mais Alemanha) não será “o mais importante na agenda” da visita de sexta-feira, dando a entender que o fortalecimento da segurança regional será o verdadeiro protagonista entre ambos.

“É uma boa oportunidade para continuar com as conversas de Camp David. (…) E esperamos poder abordar temas de apoio e cooperação com a Arábia Saudita para que desenvolva sua própria capacidade de resposta” em matéria de defesa, acrescentou o assessor.

Assim, os dois líderes discutirão também sobre os conflitos mais preocupantes que afetam a região, especialmente no Iêmen, Síria e Iraque.

“Temos que fortalecer as capacidades de nossos parceiros na região para atuar contra o Estado Islâmico (EI), porque os Estados Unidos não podem resolver por si só estes problemas”, acrescentou o assessor, que detalhou que o governo americano espera fornecer mais em matéria de inteligência, treinamento e apoio antiterrorista.

Neste sentido, os Estados Unidos consideram também que a Arábia Saudita pode ter um papel chave para diminuir as tensões no Iêmen e aplaudiu o fato de Riad ter admitido que a solução nesse caso passa pela política ao invés de pela via militar.

Esta será a primeira visita oficial a Washington do monarca saudita, de 81 anos, desde que chegou ao trono após a morte de seu irmão, o rei Abdullah, em janeiro, e o primeiro encontro entre ambos líderes desde então, quando Obama viajou ao país árabe.

Salman bin Abdul Aziz se ausentou da cúpula de países do Golfo que o presidente americano organizou em Camp David (EUA.), uma ausência que foi considerada por muitos especialistas como um símbolo de recusa do rei saudita às conversas que estavam ocorrendo entre Teerã e seis potências internacionais.

Rhodes reconheceu aos jornalistas que “obviamente existem desacordos” entre os dois países a respeito, mas destacou “que as conversas sobre eles sempre se resolvem de maneira direta”.

Segundo apontou Rhodes, Obama e o rei Salman também discutirão sobre outros assuntos, como o comércio e a colaboração em matéria de educação, enquanto o mercado energético e o petróleo serão discutidos como “uma questão de rotina, já que com frequência são abordados nestas reuniões”. EFE