África do Sul anuncia intervenção militar contra rebeldes ruandeses na RDC

  • Por Agencia EFE
  • 13/01/2015 10h48

Johanesburgo, 13 jan (EFE).- As tropas sul-africanas que fazem parte da missão da ONU na República Democrática do Congo (RDC) iniciarão uma ação militar contra os rebeldes ruandeses que atuam no leste do país centro-africano, anunciou o governo de Pretória.

O Ministério das Relações Exteriores da África do Sul lembrou, em comunicado divulgado nesta terça-feira pela imprensa local, que as Forças Democráticas para a Libertação de Ruanda (FDLR) descumpriram o prazo para se renderem firmado pelos organismos que agrupam aos países do sul da África e da região dos Grandes Lagos, que expirava em 2 de janeiro.

“Com isso, a opção militar foi inevitável”, disse o porta-voz do ministério, Clayson Monyela, que apelou à declaração do 8 de janeiro do Conselho de Segurança da ONU, na qual se pedia uma “ação militar imediata” do Exército da RDC e das tropas da Missão da ONU no país (MONUSCO).

Com mais de mil soldados, a África do Sul é o país que mais contribui para a brigada de intervenção da MONUSCO, que já derrotou no final de 2013 – junto ao Exército congolês – o movimento rebelde M23, que também atuava no leste do país, uma região rica em minerais onde vários grupos rebeldes continuam a operar.

As FDLR são um deles. Integradas por membros do antigo Exército ruandês e da milícia hutu ruandesa “Interahamwe” (responsáveis pelo genocídio de 1994) foragidos da vizinha RDC, elas espalham o terror entre a população civil com constantes assassinatos.

A presença das FDLR em solo congolês provocou incidentes militares entre a RDC e Ruanda, cujo Exército cruzou a fronteira várias vezes para combater o grupo rebelde. EFE